Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2007

Professor, você assiste Malhação?

A pergunta é uma provocação. Ainda mais num blog ambiental! Mas quem sabe um pouquinho sobre a relação entre comunicação e educação, sabe o quanto é necessário abandonar a crítica pura e simples da TV como veículo de massa, e olhar essa mídia com outros olhos. Daí a pergunta: professor, você assiste Malhação, aquele seriado vespertino da Globo, que 9 entre 10 adolescentes acompanham?

Vale a pena ter uma visão diferente desse seriado, que apresenta algumas mensagens interessantes dentro do roteiro. No episódio de 30 de outubro (se você assina o Globo.com, pode acessar o video por aqui), por exemplo, o diretor do colégio onde se passa a história, sugere que os próprios alunos votem se querem continuar usando (ou não) uniforme.

Bobeira? Não para quem conhece as chamadas “escolas democráticas”. Escrevi sobre um congresso de especialistas no tema para o site da revista Nova Escola no final de setembro. E dar aos alunos a chance da escolha é um dos pontos defendidos por essa corrente filosófi…
Muitos educadores ambientais que já entrevistei afirmam não ver com bons olhos as iniciativas de algumas escolas em propôr projetos de reciclagem que acabam não tendo continuidade, porque reciclagem não é assim tão fácil... é preciso planejamento, pesquisa e articulação para que o material recolhido realmente tenha um destino útil.

O caminho da pesquisa – saber como e onde reciclar, o que realmente é ou não reciclável, ouvir opinião de especialistas, entender o caminho dos resídudos – é uma tarefa a se dividir com os alunos. E mesmo que a escola não consiga implantar efetivamente a reciclagem, os estudantes terão a oportunidade de entender um pouco sobre o tema. E lutarem para que a reciclagem funcione, se não na escola, em casa, virando uma reação em cadeia que só é possível por causa do acesso ao conhecimento: quanto mais a gente sabe sobre algo, mais a gente tem condições de mudar.

Um exemplo de como uma pequena pesquisa é interessante foi feita pelo colega jornalista Iberê Thenório,…

Professora ensina história – e educação ambiental - através da música

A professora Marli de Oliveira Carvalho já apareceu nesse blog (leia no arquivo), e em reportagem minha da revista Nova Escola (setembro/2007), relatando suas experiência em dar aulas de história com MPB.

E o que isso tem a ver com meio ambiente?

Tudo! Leia a mini-entrevista com a educadora, que agora tem um site – o Cantando História – e uma programação de oficinas para utilizar a música na sala de aula. No final da entrevista, você acompanha as datas das próximas oficinas de Marli. Boa leitura:

Educom Verde - Porque é bom ensinar história com música?

Marli - A Música Popular Brasileira - MPB - é considerada uma das produções culturais mais ricas do século XX. É até produto de exportação, representando nosso País com legitimidade. Dessa maneira, o projeto Cantando a História pensa a construção da História do Brasil pelo viés da música, por intermédio da análise de canções da MPB "dentro" do contexto histórico-social, no qual foram produzidas ou ao qual se reportam.

Educom Verd…

Um jornalista a favor do meio ambiente. E da vida

André Trigueiro é jornalista e tem pós-graduação em gestão ambiental. Professor de jornalismo e autor de livros sobre meio ambiente, ele é também autor e apresentador do Cidades e Soluções, um programa que passa no canal Globo News e debate a sustentabilidade.

O programa completou um ano, e Trigueiro não se conforma apenas em mantê-lo no ar. Faz questão de compartilhar informações ambientais no site Mundo Sustentável, onde há links para assistir, de graça, a uma das 42 reportagens realizadas sobre os mais diversos assuntos: de resíduos industriais a reciclagem e urbanização.

E mais: as emissões de gases estufas do programa, dos boletins da rádio CBN e do próprio site, são neutralizadas através do plantio de mudas nativas da Mata Atlântica durante cinco anos – uma iniciativa conhecida como “neutralização de carbono”.

Mas a sessão mais curiosa do site chama-se Valorizando a Vida. Há links para diversas organizações e pesquisas que tratam do tema suicídio. O jornalista explica na introduçã…

Da ECO-92, 15 anos depois: ativismo jovem ainda é exemplo

A menina do video é Severn Cullis-Suzuki, jovem canadense de 28 anos, ativista ambiental desde os nove anos de idade e filha de cientistas. Aos nove, ela reuniu crianças para formar um grupo de discussão sobre temas ambientais; aos 12, fez o discurso profético do video para os participantes da ECO-92.

Hoje, Serven atua na educação para a sustentabilidade. Faz palestras, lidera grupos de discussão e escreveu livros como Tell the Word (Doubleday Edictors), onde dá dicas conscientes para famílias. E fez o site Skyfish Project, uma "revista de meio ambiente para jovens, feita por jovens" (http://www.earthfocus.org/Info%20Society%20articles/skyfish.htm).

Prova de que quando a garotada usa os meios de comunicação para mostrar a sua opinião e atingir outros jovens, é possível contribuir para disseminar a consciência socioambiental através do protagonismo juvenil.

Pura educomunicação... educar, através da comunicação, dando voz a quem até pouco tempo atrás, simplesmente só ficava do o…

Oficina de observação de aves: faça na sua escola. E na sua rua!

Biguás, garças e outros bichinhos voadores estarão na mira dos participantes da oficina de observação de aves que a Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE - http://www.sbe.com.br/) vai promover dia 20 (sábado), no Parque Taquaral, em Campinas. A atividade é gratuita e quem aparecer, poderá desenvolver um novo olhar sobre o ambiente urbano, aguçando visão e audição.

O que espeologia, ramo da ciência que estuda cavernas tem a ver com observação de aves? Muita coisa. E educadores como o biólogo e espeleólogo Jefferson Otaviano, que coordena a oficina, querem estimular o respeito aos habitats naturais através de atividades como essa, mesmo dentro da cidade - e longe da mata virgem e das florestas. "Nós, educadores, precisamos incentivar as pessoas a se interessarem pela natureza, a conhecer um maior número de espécies. Só assim vão preservar o hábitat de animais como essas aves", lembra o professor.

Para Jeferson, a observação de aves é uma atividade interessante e simples para…

Atividades socioambientais no Ibirapuera. De graça

Moro em São Paulo há três anos e ainda estou descobrindo as coisas boas que a cidade oferece. Uma dessas descobertas recentes é a Umapaz - Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz, um projeto da prefeitura paulistana com sede no Viveiro Manequinho Lopes, trecho mais bonito do Parque Ibirapuera.

Universidade? Na prática, é mais um lugar para difundir atividades ligadas a meio ambiente, artes e cultura pessoal, em oficinas e cursos curtos. E o melhor: tudo é gratuito. Basta se inscrever antes através do e-mail umapaz@prefeitura.sp.gov.br.

Confira a programação da Umapaz para o restante de outubro e novembro:

19/outubro - 14h17h
Oficina de Programação Neuro-Lingüística
A psicóloga Márcia Dolores Resende vai falar sobre como desenvolver atitude de paz com o corpo e a mente, como aumentar a serenidade e diminuir a ansiedade.

30/outubro - 14h/16h30
Oficina de Vivências com a Natureza
Educadores do Instituto Romã (www.institutoroma.org.br) vão organizar pequenas vivências ao ar livre…

Reflexões sobre educação ambiental, comunicação e política

Vivemos um momento onde a preocupação com as questões ambientais ganha cada vez mais destaque. Exemplo disso é Prêmio Nobel da Paz deste ano, dividido entre o americano Al Gore e o Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que reúne três mil cientistas e especialistas discutindo aquecimento global. Para o comitê do prêmio, eles foram reconhecidos pelo esforço em "construir e divulgar um maior conhecimento sobre a mudança climática causada pelo homem e por fixar a base das medidas que são necessárias para resistir a essa crise”.

Enfrentar questões complexas como as mudanças climáticas e outros temas que marcam a problemática ambiental que o planeta vive é o maior desafio da educação, lembra o professor da Faculdade de Educação da USP, Pedro Roberto Jacobi. Sua fala abriu do debate Perspectivas e Caminhos da Educação Ambiental em São Paulo, organizado pela faculdade de Gestão Ambiental da USP em seu campus na zona Leste da capital.

“As discussões sobre educação ambi…

Um evento e muitas idéias. Para um mundo sustentável

Nunca um passeio ao Ibirapuera, em São Paulo, foi tão... ecológico! Desde o dia 8 (segunda passada) a editora Abril organiza o Planeta Sustentável, um evento gratuito onde grandes temas socioambientais são apresentados em oficinas em sete estandes espalhados pelo parque.

Também há oficinas para adultos e crianças, onde você pode aprender a fazer brinquedos de sucata e terrários para a varanda da sua casa (a programação está no site http://planetasustentavel.abril.com.br/planetanoparque, que tem um mapa do circuito. Clique no ícone Oficina para ver a programação). Corra, que tudo termina dia 14 (domingo).

A idéia até que é boa. Em cada estande, monitores (estudantes de turismo da Universidade Anhembi-Morumbi, na maioria) explicam aos visitantes como é possível diminuir os impactos negativos do homem sobre o planeta – e como fazer a sua parte para melhorá-lo. E quem percorre todos os estandes pode carimbar um passaporte que dá direito a uma sacola de tecido, para substituir as difamadas s…

Comentário sobre o Ecos do Planeta

Vale para qualquer evento relacionado a meio ambiente: o evento Ecos do Planeta, que terminou dia 7 de setembro no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, teve o mérito de trazer atividades lúdicas para ensinar educação ambiental. Mas fica a pergunta. Porque as dezenas de fotos maravilhosas não tinham legenda localizando as paisagens?

Temos um desconhecimento tão grande do Brasil e do mundo, que a falta de mapas ou simplesmente do nome dos lugares que aparecem nas fotografias nos distancia de sua realidade. Legendas ajudam as pessoas a se aproximarem, de alguma forma, desses lugares.

E isso também é educar através da comunicação...

Brincadeiras para aguçar o gosto pela natureza

Luiz, 3 anos, e Sabrina, de 4, saem do barulho da garotada e seguem por um túnel escuro, onde são projetadas imagens da fauna e da flora embaixo d'água. O som das bolhas dá alguma sensação de se estar no fundo do oceano. Em outra sala, Lucas, 5 anos, segura um trecho de um barbante que forma uma grande teia com outras crianças. É a sua ligação em uma rede de metáforas onde cada um representa uma parte do planeta - se alguém soltar o barbante, desequilibrará toda a harmonia dessa teia.

Atividades como essa fizeram parte do Ecos do Planeta (www.ecosdoplaneta.com.br), realizado semana passada em São Paulo. Se os estandes estavam pouco atrativos e a Mata Atlântica que tentaram replicar parecia apenas um jardim tropical, vale a pena elogiar o trabalho dos monitores desse evento de educação ambiental, freqüentadíssimo por crianças-estudantes. Muita das dinâmicas desenvolvidas em suas oficinas foram inspiradas nas técnicas do educador americano Joseph Cornell, do Sharing Nature Institute …

Escola Sustentável em livro

No dia 06 de outubro (sábado), às 10h, a pedagoga e escritora Lucia Legan promove o lançamento de seu livro A Escola Sustentável - Eco-alfabetizando Pelo Meio Ambiente (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, R$ 30). Será no Centro de Educação Ambiental do Parque Vila-Lobos, em São Paulo, mantido pela ong Cinco Elementos (http://www.5elementos.org.br/).

Susan é uma das fundadoras do Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado (Ipec - http://www.ecocentro.org/), e enxerga a educação de uma maneira realmente holística, que vai além da visão tecnicista e utilitarista que toma conta de alguns educadores ambientais. Reproduzo, abaixo, entrevista que fiz com a autora na cobertura de um congresso de EA para a revista Nova Escola:
Sustentabilidade é uma palavra que está sendo muito difundida nos noticiários sobre meio ambiente. E sobre “escola sustentável”, você já ouviu falar? Na definição da pedagoga australiana Lucia Legan, trata-se da escola com um ambiente que se auto-sustenta, que i…

Eventos sustentáveis em Sampa

O mês de outubro está agitado em matéria de eventos com a temática ambiental em São Paulo. Já começou, no Parque do Ibirapuera, o Ecos do Planeta (www.ecosdoplaneta.com.br). Até o dia 7 de outubro, oficinas, exposições e debates sobre meio ambiente vão dividir espaço com 500 metros quadrados de Mata Atlântica recriados no Pavilhão da Bienal. Há também um aquário e programação de filmes como o documentário Uma Verdade Inconveniente, de Al Gore. Tudo gratuito, confira no site.

Logo em seguida, também no Ibirapuera, a Editora Abril promove o Planeta Sustentável no Parque - iniciativa organizada pela turma do portal www.planetasustentavel.com.br, mantido pela empresa. Seis estações-estandes estarão espalhadas pelo local, cada um com um tema diferente: negócios sustentáveis, inclusão, resíduos, consumo consciente, trabalho voluntário e construção sustentável. Especialistas e ongs de cada área irão trocar idéias com o público. É o momento para, por exemplo, conversar com arquitetos para inst…

Link comentado: Bichos da Mata

Estão vendo essa simpática Tucana aí ao lado? Chama-se Fifi, e é um dos personagens do site http://www.bichodamata.com.br/. Trata-se de um jogo que uma empresa de informática está lançando, com a temática ambiental. Seis animais da mata atlântica, que estão em extinção, se uniram a uma turminha de crianças para defender a natureza.

A empresa planeja lançar um livro contando as histórias dessa patota, mas enquanto isso traz, no site, a descrição dos personagens e joguinhos de colorir, memória, quebra-cabeças. E é muito fácil de mexer, tendo em vista que crianças de três ou quatro anos, como o meu sobrinho, se viram no computador melhor do que muitos de nós, adultos.

Ensinar de forma lúdica é um dos princípios tanto da educomunicação, quanto da arte-educação. E num momento de tantas campanhas de conscientização, onde muitas falam somente a linguagem do "não faça-isso-não-faça-aquilo", esse tipo de jogo é bem-vindo, pois desperta os pequenos sem imposição de valores. E ainda est…