Pular para o conteúdo principal

Escola Sustentável em livro

No dia 06 de outubro (sábado), às 10h, a pedagoga e escritora Lucia Legan promove o lançamento de seu livro A Escola Sustentável - Eco-alfabetizando Pelo Meio Ambiente (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, R$ 30). Será no Centro de Educação Ambiental do Parque Vila-Lobos, em São Paulo, mantido pela ong Cinco Elementos (http://www.5elementos.org.br/).

Susan é uma das fundadoras do Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado (Ipec - http://www.ecocentro.org/), e enxerga a educação de uma maneira realmente holística, que vai além da visão tecnicista e utilitarista que toma conta de alguns educadores ambientais. Reproduzo, abaixo, entrevista que fiz com a autora na cobertura de um congresso de EA para a revista Nova Escola:

Sustentabilidade é uma palavra que está sendo muito difundida nos noticiários sobre meio ambiente. E sobre “escola sustentável”, você já ouviu falar? Na definição da pedagoga australiana Lucia Legan, trata-se da escola com um ambiente que se auto-sustenta, que inclui não apenas a postura dos professores em relação à natureza e à ética social, mas que também leva em conta aspectos de sua infra-estrutura. Para Lucia, água potável à disposição dos alunos, banheiros limpos e com sistema de esgoto adequado, jardins bem cuidados e outras medidas contribuem para que as crianças aprendam, desde pequenas, a observar o ambiente que as cerca – e a respeitá-lo.

Lucia lançou a segunda edição de seu livro A Escola Sustentável: Eco-Alfabetizando Pelo Ambiente durante o III Encontro Estadual de Educação Ambiental. Além de textos que informam de maneira didática sobre temas sócio-ambientais (como ecossistemas, energia e alimentos geneticamente modificados), a publicação oferece sugestões de atividades para fazer ao ar livre e que despertam na garotada o desejo de experimentar, observar e refletir – três verbos que a autora considera importantes na Educação Ambiental (EA).
Pedagoga com mestrado em Meio Ambiente e Ciências em seu país natal, Lúcia chegou ao Brasil há sete anos. Em Pirenópolis (GO), criou o Ecocentro Ipec (Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado). Criado na Austrália, o termo permacultura refere-se a práticas que visam à busca de um ambiente sustentável, sem desperdício de energia, alimentos e espaços, integrando o ser humano aos ciclos da natureza. Por isso, o Ipec é muito procurado por interessados em construções dentro desse conceito, especialmente arquitetos.
Esse referencial também serviu para Lúcia escrever o livro e trazer a filosofia e a prática da sustentabilidade a escolas públicas como a EE Isaltina Cajubi, em Araçuaí (MG). Durante três dias, Lúcia e uma equipe visitam a instituição de ensino e conversam não só com os professores, mas também com os alunos, para saber que melhorias a escola pode fazer. Alunos também participam das mudanças, ajudando a construir parte dessa nova estrutura.

Parece muito difícil implantar mudanças em sua escola? Lúcia avisa: você pode começar até com um minhocário. “A partir de uma caixinha onde as minhocas trabalham a terra, as crianças poderão observar um ciclo da natureza e produzir suas próprias reflexões”, explica a pedagoga. “O importante é que os alunos sejam incluídos nas atividades, seja um minhocário ou a construção de um jardim com árvores frutíferas. Isso tudo depois pode ser incorporado em trabalhos na sala de aula”, completa.
Essa entrevista foi feita durante o lançamento do livro no III Congresso Estadual de Educação Ambiental, que rolou em São José do Rio Preto no final de junho deste ano. Quem quiser saber sobre o que rolou nesse evento pode acessar o arquivo http://revistaescola.abril.com.br/online/cobertura/cobertura_244321.shtml).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…