Pular para o conteúdo principal
Muitos educadores ambientais que já entrevistei afirmam não ver com bons olhos as iniciativas de algumas escolas em propôr projetos de reciclagem que acabam não tendo continuidade, porque reciclagem não é assim tão fácil... é preciso planejamento, pesquisa e articulação para que o material recolhido realmente tenha um destino útil.

O caminho da pesquisa – saber como e onde reciclar, o que realmente é ou não reciclável, ouvir opinião de especialistas, entender o caminho dos resídudos – é uma tarefa a se dividir com os alunos. E mesmo que a escola não consiga implantar efetivamente a reciclagem, os estudantes terão a oportunidade de entender um pouco sobre o tema. E lutarem para que a reciclagem funcione, se não na escola, em casa, virando uma reação em cadeia que só é possível por causa do acesso ao conhecimento: quanto mais a gente sabe sobre algo, mais a gente tem condições de mudar.

Um exemplo de como uma pequena pesquisa é interessante foi feita pelo colega jornalista Iberê Thenório, “dono” do bacana Atitude Verde, um blog onde ele divide as suas dúvidas “existenciais-ambientais” com os internautas. Ele foi atrás da resposta para a pergunta: “onde jogar o óleo de cozinha?

Já saiu na TV: o óleo usado não deve ser descartado no ralo, pois tem um grande poder de contaminação. Mas como e onde descartá-lo, foi o que Thiago investigou e descobriu que não é tão fácil assim... ele ligou para oito fabricantes, e apenas dois indicaram o que fazer. Confira aqui a tabela que ele montou a partir das respostas (algumas realmente surpreendentes) dos SACs desses fabricantes. A atendente do Carrefour, por exemplo, aconselheu-o a procurar informação no Google!

Dar aos alunos a oportunidade de fazer por si próprios essas descobertas é dar acesso a um universo que vai além da sala de aula: a realidade, da falta de informação que ainda é comum nas questões que envolvem descarte de resíduos.

E fazer nossos alunos terem a iniciativa de irem atrás da informação… é uma das funções mais importantes da educação ambiental – seja o professor de geografia, ou de matemática.
Para saber mais sobre a questão da coleta de óleo, acesse o site das ongs Akatu
e Trevo.

Comentários

Folha Estudantil disse…
Olá Débora Menezes,
Me chamo Rodolfo e sou o responsável pelo blog folhaestudantilcom.blogspot.com e pelo jornal Folha Estudantil, ambos da E. E. Justiniano Fonseca, situada em Tebas/Leopoldina (MG).
Na oportunidade lhe parabenizo pelo seu blog, cujo conteúdo é excelente.
Respondendo a sua pergunta sobre a questão ambiental, sim, abordamos a temática no jornal, especificamente na 1ª e 3ª edições. Desde já, agradecemos sua visita ao blog e pelo interesse em nosso trabalho. Ficaríamos contentes em receber sua colaboração para as próximas edições do jornal e para o nosso blog.
Um abraço,

Rodolfo.
Miriam disse…
Oi Debora!
O Departamento de Química, da USP Ribeirão Preto, tem um projeto bacana chamado “Biodiesel em casa e nas escolas". O link para o projeto é http://www.biodieselbrasil.com.br/emcasa/emcasa.html
O projeto vai até ser premiado pelo PNUMA... veja em http://biodieselbrasil.com.br/home.html
Deixei esse mesmo comentário no Atitude Verde... acho que projetos assim precisam ser divulgados, não é?
Um abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…