Pular para o conteúdo principal

Professor, você assiste Malhação?

A pergunta é uma provocação. Ainda mais num blog ambiental! Mas quem sabe um pouquinho sobre a relação entre comunicação e educação, sabe o quanto é necessário abandonar a crítica pura e simples da TV como veículo de massa, e olhar essa mídia com outros olhos. Daí a pergunta: professor, você assiste Malhação, aquele seriado vespertino da Globo, que 9 entre 10 adolescentes acompanham?

Vale a pena ter uma visão diferente desse seriado, que apresenta algumas mensagens interessantes dentro do roteiro. No episódio de 30 de outubro (se você assina o Globo.com, pode acessar o video por aqui), por exemplo, o diretor do colégio onde se passa a história, sugere que os próprios alunos votem se querem continuar usando (ou não) uniforme.

Bobeira? Não para quem conhece as chamadas “escolas democráticas”. Escrevi sobre um congresso de especialistas no tema para o site da revista Nova Escola no final de setembro. E dar aos alunos a chance da escolha é um dos pontos defendidos por essa corrente filosófico-prática, que acredita na democracia como uma forma de estimular os alunos não só a estudar, mas a se tornarem cidadãos responsáveis, conscientes. Esse ideal da escola democrática também pode, conseqüentemente, formar cidadãos que farão as melhores escolhas em prol do desenvolvimento sustentável.

E na Malhação, tudo começou com o uniforme...

Esqueça as historinhas de namoradinhos brigando, não fique tão arrepiado com as gírias e nem torça o nariz para o fraco desempenho fraco de alguns atores – eles estão apenas começando! E faça uma ponte entre o conhecimento e o que rola na tal Malhação. No mínimo, conversar com os alunos sobre o que é atual, o que é verdadeiro e o que soa falso, rende um diálogo interessante.
Promova a leitura crítica entre seus estudantes – e aproveite para entrar no mundo deles!

Isso também é educomunicação...

Comentários

Sindy disse…
Adorei o post e acredito em dois pontos que foram abordados nele:

1°) Temos que conversar mais com nossos alunos. Ouvir suas opiniões, estimulá-los a defender suas idéias, argumentar a favor ou contra um determinado ponto de vista,... A escola deveria ser um espaço democrático, onde o aluno tivesse espaço para expressar-se, porém... isso quase nunca acontece!

2°) O professor precisa URGENTEMENTE se qualificar enquanto telespectador. Não adianta falar mal daquilo que não conhecemos! E não dá para lutar contra a televisão... O que temos é que qualificar as 'leituras' que fazemos dos programas que assistimos, e proporcionar aos alunos situações em que eles sejam capazes de fazer uma 'leitura' crítica da informação que estão recebendo da mídia.
Abçs
Sintian
http://bloguinfo.blogspot.com
Olá, Débora ! Primeiro : parabéns pelo blog . É cheio de coisas legais para ler e pensar. Sou Professora de Ciências no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Acho que a gente tem que entrar no mundo dos adolescentes - através das "Malhações da vida" ou outros programas - para entender melhor nossos alunos. Assisto Malhação, RDB,Florisbella, ... para ver " o que rola "!
Tenho alguns blogs educativos também: um é da minha escola ( www.escolacomunidade.blogspot.com) e outro é sobre Ciências ( www.dicasdeciencias.wordpress.com). Está convidada para olhar " o que rola" aqui também ! Abraços
Jenny Horta disse…
Muito legal seu blog! Também concordo que temos que romper essa barreira crítica. Vale lembrar que fomos da idade deles e com poucas diferenças.
Puxando da realidade deles a discussão é muito mais produtiva!
Voltarei sempre.
Iberê disse…
COncordo com você, Débora. Especialmente quando fala da importância de dar aos estudantes a opção de escolher. Quando as pessoas participam de uma decisão, sentem-se responsáveis pelo resultado, semtem-se parte do todo.

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…