Pular para o conteúdo principal

Professora ensina história – e educação ambiental - através da música

A professora Marli de Oliveira Carvalho já apareceu nesse blog (leia no arquivo), e em reportagem minha da revista Nova Escola (setembro/2007), relatando suas experiência em dar aulas de história com MPB.

E o que isso tem a ver com meio ambiente?

Tudo! Leia a mini-entrevista com a educadora, que agora tem um site – o Cantando História – e uma programação de oficinas para utilizar a música na sala de aula. No final da entrevista, você acompanha as datas das próximas oficinas de Marli. Boa leitura:

Educom Verde - Porque é bom ensinar história com música?


Marli - A Música Popular Brasileira - MPB - é considerada uma das produções culturais mais ricas do século XX. É até produto de exportação, representando nosso País com legitimidade. Dessa maneira, o projeto Cantando a História pensa a construção da História do Brasil pelo viés da música, por intermédio da análise de canções da MPB "dentro" do contexto histórico-social, no qual foram produzidas ou ao qual se reportam.

Educom Verde - Na seleção de músicas que retratam a participação das etnias africanas na História, no folclore e nas raízes culturais do Brasil, algumas dessas canções são direta ou indiretamente relacionada à questões sócioambientais?

Marli - Ao preparar as minhas aulas eu viso inserir as questões ambientais no processo histórico brasileiro, uma vez que a devastação do meio ambiente foi processual e veio disfarçado com o nome de "desenvolvimento" e/ou "processo civilizatório".

Educom Verde - Para você, o que é ser um professor ligado no socioambiental, mesmo não sendo de biologia ou geografia?


Marli - Penso que antes de ser Professora de História, sou educadora o que pressupõe dizer que tenho a responsabilidade de formar as novas gerações, e os desdobramentos destas ações virão a médio e longo prazo. Sei que participo da construção do Brasil por intermédio dos ensinamentos que trago para a sala de aula hoje.

Educom Verde - Como promover a interdisciplinaridade do meio ambiente na escola?

Marli - Olha, para trabalhar os temas históricos eu busco parcerias com os meus colegas de diversas áreas do conhecimento, ou seja: com a Geografia, a sala de leitura, o laboratório de informática. O melhor é unir forças, trocar idéias, abrindo os horizontes de cada disciplina.

AGENDA DE OFICINAS
26 de outubro (sexta-feira), 14h/18h

Palestra: Cantando a História pelos caminhos da MPB
Câmara Municipal de São Paulo
Inscrições: (11) 3396-4403 com Ivan ou Iracema

27 de outubro (sábado), 8h/12h
Curso: O negro canta a sua História
Local: CORJESU - Rua São Vicente de Paulo 374 (Metrô Marechal Deodoro)
Inscrições: (11) 3159-1887

31 de outubro (quarta-feira), 19h/22h
Curso: O negro canta a sua História
Local: SINPRO - Rua Borges Lagoa, 208 Metrô Santa Cruz
Inscrições: (11) 5080-5974 com Mara


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…