Pular para o conteúdo principal

Enquete: o que você achou da Campus Party

O que você achou do Campus Party? Que sugestões têm para promover a inclusão social a educação ambiental num evento de grande porte como esse? Escreva um post contando para nós, deixando e-mail para contato, e concorra a um cordão feito com sucata digital pela artista plástica Naná Hayne. O ganhador será divulgado na próxima quarta-feira (17 de fevereiro).

Leia sobre o que rolou na cobertura do evento nos sites Planeta Sustentavel, Revista Viração e Revista Nova Escola.

Comentários

Claudia Chow disse…
Oi Debora, ai segue minhas ultimas impressoes sobre o CParty!
http://ecodesenvolvimento.blogspot.com/2008/02/impresses-da-campus-party-brasil-2008.html
Anônimo disse…
Achei muito fraco esse evento. A mídia fez um trabalho muito grande de divulgação, com direito a até flashes ao vivo. O que vi no evento não me agradou em nada. Jamais voltaria de novo. Ainda bem que foi de graça!
Anônimo disse…
Discordo do comentário anônimo, gostei do evento, e ficaria melhor se outras escolas fossem avisadas com antecedência para participar, pois o ano passado tivemos apresentações riquíssimas que poderiam ser divulgadas. Fiz duas oficinas que me ajudarão no meu trabalho com os alunos na Informática, como usar o orkut, blog e outros sites na educação, que são sites que eles gostam. Espero que aconteçam mais eventos maiores e melhores que este para que criatividades possam ser divulgadas e sem burocracia para que os POIEs possam participar na integra, o que não aconteceu neste evento.

Mary Ferreira
Paula disse…
O evento foi de fundamental importância para os professores da rede pública que participaram das oficinas de blog. Com algumas dicas e o trabalho que muitos destes professores já desenvolvem nas escolas é possível fazer divulgação de qualidade.
Infelizmente não pude acompanhar os seminários da inclusão social, mas a coordenadora pareceu bastante emocionada no encerramento do CP. Inclusão digital e liberdade para todos!
Outra coisa que eu também gostei de ver foram os "jornalistas mirins" do programa Nas Ondas do Rádio. Excelente trabalho!
Para as próximas edições espero encontrar ainda mais inclusão, mais oportunidade para alunos e professores da rede pública de ensino e mais projetos ambientais como coleta seletiva "in loco", desafios de criatividade para as crianças, bancadas de doação de computadores "velhos" que podem servir tanto nas escolas como nas oficinas de metareciclagem.

Paula Signorini
ekalafabio disse…
Gostei do Campus Party. Mentira, eu adorei! Já estou esperando pelo próximo. Este evento na América do Sul prova o poder financeiro do mundo virtual e, de certa forma, torna este mundo mais real. A participação do governo no evento e as oficinas para professores merece uma análise à parte. E por que? Parece que estar na internet e "lutar" pelo relacionamento virtual virou uma virtude. Nosso governo é um dos que mais usa a internet - curiosamente, toda a recente polêmica envolvendo os tais "cartões corporativos" só foi possível por causa do uso moderno que nosso governo (ao menos o federal) faz da internet.

E no entanto, apesar de 1000 ingresso terem sido oferecidos a professores de escolas públicas, sinto que não houve vontade nenhuma de garantir que estes professores participassem ativamente do evento; diria mais, não houve a divulgação adequada para conscientizar estes professores do quanto este evento foi importante. E foi importante. Foi um marco - vi na mídia alguns mais afoitos o comparando com o Woodstock e a Semana de 22. Talvez não seja exagero.

Podemos ver o Campus Party apenas como diversão. E foi divertidíssimo.

Em termos de formação dos técnicos diretamente envolvidos com internet é inegável o valor deste encontro, que deve muito dinheiro para alguns e melhorias de serviços para outros.

Como espaço para encontro e formação de educadores fica devendo, não por culpa dos organzadores do evento, mas dos burocratas que, apesar de terem permitido que ele ocorresse não garantiram o verdadeiro acesso ao conhecimento - antiga demanda de todos os professores. É isso o que queremos para os nossos alunos, não é?

poie Fábio
ekalafabio disse…
No meu comentário anterior faltou a palavra "render", quase no final em "deve render muito dinheiro"...

Até mais.
Viajante Consciente disse…
Olá Debora,

Nem deu pra sente se falar direito depois né? Tanta coisa acontecendo lá!...
Postamos em nosso blog as nossas impressões e sugestões para um próximo evento mais verde e consciente.

http://viajanteconsciente.com.br/diario-de-bordo/chega-ao-fim-a-campus-party-brasil-2008/

Abs

Lyanne Rehder e Marcelo Maestrelli

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!