Pular para o conteúdo principal

Será que o brasileiro não sabe onde fica o Brasil?

Saiu na revista Veja há duas semanas, mas só agora consegui digerir a reportagem E a Gente Ainda Goza dos Americanos – que não deixo link, porque a revista só abre o conteúdo para seus leitores. E não sei se fiquei mais indignada com as informações da matéria ou se com o repórter que a escreveu, pixando (mais uma vez) o esforço de educadores em melhorar o nível de conhecimento de nossos alunos.

A matéria baseou-se em uma publicação da multinacional Ipsos,
um dos tantos institutos especializados em pesquisas sobre os mais diversos temas. Mil pessoas foram abordadas em setenta municípios das nove regiões metropolitanas brasileiras, e a abordagem consistia em abrir um mapa-mundi na frente desses entrevistados com perguntas do tipo “você sabe onde fica o Brasil? A África? Os EUA?”.

A conclusão da pesquisa (transcrita da matéria, desse jeito mesmo): “50% dos brasileiros não sabem localizar o país no mapa”. E entre tantas abobrinhas que os entrevistados apontaram, não sabem onde fica o nosso vizinho mais famoso, a Argentina (84%). Ou onde ficam os Estados Unidos (18%).

Não tenho nada contra pesquisas, acho louvável o esforço do instituto. Mas uma reportagem se basear em um universo aleatório de apenas mil pessoas para massacrar o esforço de muitos professores com a frase no final da matéria: “a péssima qualidade dos professores está na base dessa vergonha, agravada pela falta de mapas nas escolas. Acrescente-se a falta de instrução familiar e pronto: está formado o ambiente propício para criar gerações de brasileiros que exibem uma ignorância que não está no mapa”.

Não acho que as coisas são bem assim; temos um sistema de ensino ruim e uma pobreza de espírito, além da pobreza material, que infelizmente impede as pessoas a terem acesso pleno a educação e tudo o que ela oferece de bom, que é o compartilhar conhecimento para entender melhor o mundo – e daí, mudá-lo. Mas aí a promover essa metralhadora verbal e atingir educadores que estão na luta, usando mapas para dar suas aulas, promovendo pesquisas no Google Earth e fazendo a diferença... aí é dureza, não?

Isso sim é uma vergonha. É nessas horas que eu tenho vergonha de dizer que sou jornalista, pois o que alguns colegas fazem é simplesmente criticar e jogar terra em cima dos sonhos e conquistas das pessoas.


Prefiro acreditar, sim, nos educadores que fazem a diferença. E cujo trabalho, infelizmente, não apareceu nessa pesquisa. Acredito também no jornalismo diferenciado e esforçado, na qual coloco a Nova Escola (da mesma editora de Veja, mas com um linha de trabalho totalmente diferente), que tenta trabalhar a favor dos educadores. E não contra.

Comentários

Oi Débora,
Concordo com você. Este tipo de pesquisa em nada acrescenta à população, menos ainda à luta dos educadores por uma educação de qualiade e valorização do profissional. Vergonha uma revista que promove sua utilização no meio educacional tratar de forma tão equivocada informação e conteúdo instrucional.
Cláu disse…
Débora

Concordo com vc, pois sou pedagoga ambientalista e sei da luta de milhares de professoras e professores para dar aula. Já atuei no nordeste /caatinga fazendo coordenação pedagógica para as professoras de escolas rurais e qtas vezes desenhavamos o mapa do Brasil na parede, junto com os alunos. Que tal se a revista nova escola chegasse as mãos do jornalista que escreveu a matéria e chegasse tb ao instituto que fez a pesquisa.

beijos bom trabalho à nós ...

Cláudia
Mary Martins disse…
Oi Débora,

Se tem uma revista que quando me atrevo a ler já abro desconfiada é esta Veja... Parabens, mais uma vez pelo post!
bjs
melhorart disse…
É por essas e por outras que precisamos cada vez mais de profissionais como você. Este pessoal faz jornalismo e acha que pode sair por aí tirando conclusões sobre todos os assuntos, em todas as áreas. Sensacionalismo para vender revista! Faço como a Mary. A revista veja deveria vir com uma tarja: Abra e leia com CUIDADO!!
Anônimo disse…
Olá xará!
Gostei do post. Ainda não consegui ter uma opinião do assunto. Mas desde já concordo que o jornalismo está cada dia mais preguiçoso na hora da apuração e da reflexão sobre os assuntos abordados...
JTA disse…
Olá... gostei do blog e tomei a liberdade de lincá-lo no meu http://progressoverde.blogspot.com/... gostaria que visitasse e divulgasse meu link também... abraços...
Enfim, penso que o pior de tudo é a "pobreza de espírito", citada em seu post.
Bel disse…
Oi Debora
o jornalista antes de tudo deveria pensar com mais ética e não só em busca da espetacularização da noticia, como vem acontecendo em todos os veiculos de comunicação. Aliás, nossa vida virou um grande espetáculo. Só vale a pena aquilo que é sensacional e não o que é sério. Bjs Izabel Leão

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!