Pular para o conteúdo principal

Experiência na escola: música para ensinar

Encontrei esta semana uma das formas verdadeiramente sutis e poéticas de ensinar conteúdos em sala de aula, associando o aprendizado de história à reflexão sobre o meio ambiente. Apaixonada por MPB, a professora Marli Oliveira de Carvalho utiliza músicas em suas aulas de histórias junto a alunos de quinta a oitava séries da Escola Municipal Tenente José Maria Pinto Duarte, na zona Oeste de São Paulo.

Primeiro, a professora trabalha o conteúdo de cada ano junto dos livros. Depois é que entram as músicas, que ela seleciona de acordo com o tema que deseja chamar a atenção. Não há necessidade de ser extremamente objetivo; a idéia é que as crianças associem algo da música ao que aprenderam anteriormente nos livros. O importante é que a canção dê um significado extra ao aprendizado. E de quebra, as crianças ainda têm acesso a nossa riqueza cultural presente na MPB.

Marli pensa muitos anos-luz a frente e não se contenta em apenas fazer associações entre o aprendizado básico de história. Quer que as crianças reflitam, através das músicas, na evolução do ser humano e o seu avanço, nem sempre positivo, sobre os recursos naturais do planeta.

Uma das canções que a professora utiliza, com a turma de oitava série (que está aprendendo sobre história do Brasil - República) é Sobradinho, de Sá e Guarabira. A letra fala nas conseqüências de uma barragem que seria construída no rio São Francisco e resgata a figura lendária do beato Antonio Conselheiro, líder da Revolta de Canudos (1893-1897) e provavelmente o autor de uma fala visionária difundidade até hoje: "o sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão".

Para a professora Marli, essa canção além de linda do ponto de vista poético, é dotada de uma mensagem clara em relação aos recursos hídricos do Brasil, e a importância de sua preservação.

"Músicas como essa revelam a presença de rios, lagos ada e outros, no cotidiano das pessoas. As águas são referenciais na vida, seja ele físico ou sentimental", explica Marli, que aponta Sobradinho como um ponto-de-partida para debater com os alunos sobre as conseqüências dos impactos sobre os recursos naturais, como os rios. A letra, transcrevo abaixo. Quer saber mais sobre música na escola? Procure os livros Como Usar a Música na Sala de Aula (Martins Ferreira, Editora Contexto).


Marli, pode ter certeza, você vai ser lembrada por seus alunos durante muitos e muitos anos!

Sobradinho
O homem chega e já desfaz a natureza
Tira a gente põe represa, diz que tudo vai mudar
O São Francisco lá prá cima da Bahia
Diz que dia menos dia vai subir bem devagar
E passo a passo vai cumprindo a profecia
Do beato que dizia que o sertão ia alagar

O sertão vai virar mar
Dá no coração
O medo que algum dia
O mar também vire sertão
Vai virar mar
Dá no coração
O medo que algum dia
O mar também vire sertão

Adeus Remanso, Casa Nova, Sento Sé
Adeus Pilão Arcado vem o rio te engolir
Debaixo d'água lá se vai a vida inteira
Por cima da cachoeira o Gaiola vai subir
Vai ter barragem no salto do Sobradinho
E o povo vai se embora com medo de se afogar

O sertão vai virar mar
Dá no coração
O medo que algum dia
O mar também vire sertão
Vai virar mar
Dá no coração
O medo que algum dia
O mar também vire sertão

Comentários

Marli disse…
Olá Débora,


Passei para dizer que adorei o blog, e também agradecer o seu texto elogioso.
Se for do seu gosto, periodicamente encaminharei artigos, que tratam da relação História e Música, pois é desta forma que quero contribuir com a sua iniciativa.
Vou divulgar este endereço para os meus amigos e alunos.
Bj, Marli
Érika Finati disse…
Oi Débora,
Seu blog é muito legal! Nós temos que cuidar mesmo desse organismo do qual fazemos parte, que é a Terra. Afinal, a nossa 'bolinha', embora seja um dentre tantas, é lindíssima!
Nane Albuquerque disse…
Oi Débora,
Um colega em comum repassou o endereço do seu blog porque trabalho com este tema há algum tempo e adorei. Está muito bom. Temas pertinentes, amplos, bons de ler. Parabéns.
Como posso fazer para enviar alguma colaboração? Isso é possível? Abraços. Boa sorte e Sucesso.
Daniela disse…
olááá td bem?
muito bacana esse post
tenho um blog sobre o meio ambiente
visita?
www.campanha.preserve.zip.net
nãão esquece de comentar
:*
Anônimo disse…
Olá Marli. Parabéns mesmo. Gostaria de saber se vc têm algum blog, email ou até algum livro com essas idéias maravilhosas para eu poder ajudar as crianças também. Bjos
Li
Anônimo disse…
Olá Marli. Parabéns mesmo. Gostaria de saber se vc têm algum blog, email ou até algum livro com essas idéias maravilhosas para eu poder ajudar as crianças também. Bjos
Li
jota disse…
Débora,
como faço para entrar em contato com a Professora Marli?
Pretendo usar a musica numa sala do ensino fundamental, e preciso de dicas de como começar essa empreitada.
Teu post foi uma luz no fin do tunel. Meus parabéns!

meu e-mail: joaodias_pm@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…