Pular para o conteúdo principal

Garotada na cobertura do Campus Party


O Universo On Line que me desculpe, mas reproduzo abaixo notícia sobre a criançada da EMEF Fernando Gracioso, uma das mais ativas de São Paulo nos trabalhos de educomunicação e inclusão digital. Já foram parceiros do Educom Verde na cobertura do Encontro Carta da Terra e Pedagogia na Educação, e agora se preparam para acompanhar o Campus Party, um dos maiores eventos de debates sobre tecnologia e internet do mundo. Na foto, Sara, aluna da escola, em meio aos jornalistas na coletiva com os organizadores do evento (a foto é do blog da escola).
O mérito, claro, é dos alunos que mantém uma rádio virtual, mas ainda do professor Fábio Rogério Nepomuceno, apaixonado por internet, literatura e cinema. E também do Programa Nas Ondas do Rádio, que reconhece como política pública a educomunicação nas escolas municipais paulistanas.

Para quem é jornalista, o divertido é ver essa garotada "trabalhando" melhor do que a gente... ao menos vão com um olhar de curioso, e não de especialista. E o resultado é desconcertante. Parabéns, moçada!

Projeto transforma jovens estudantes em jornalistas na Campus Party 2010
JULIANA CARPANEZ Do UOL Tecnologia

Em uma entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (14), o diretor-geral da Campus Party, Marcelo Branco, foi questionado sobre a importância das crianças e dos jovens no ambiente virtual. A pergunta não foi feita por um dos jornalistas presentes no evento, mas sim por Sara Souza Ferreira, de 11 anos, que cursará neste ano a 6ª série da escola Fernando Gracioso, em Perus (SP).

Com o colega Rafael Lúcio Magalhães, de 11 anos, Sara foi à entrevista coletiva como participante do projeto Imprensa Jovem, em que crianças e adolescentes de escolas municipais vivem a experiência de serem repórteres.
A iniciativa faz parte do programa Nas Ondas do Rádio, que levará à 3ª edição da Campus Party em São Paulo 150 repórteres mirins de diferentes instituições de ensino. Esse número vem aumentando: em 2009 foram 100 deles e, em 2008, 80.

Entre 25 e 31 de janeiro, semana de realização deste acampamento digital que pretende reunir 6 mil "campuseiros", os jovens estudantes vão divulgar informações via Twitter (com as tags #cparty, #cpartybrasil2010 e #alunoreporter), nos blogs de suas escolas (o da Fernando Gracioso pode ser visto aqui) e em outras ferramentas online de comunicação.

Aprendizado
Fábio Rogério Nepomuceno, professor de português e informática da escola Fernando Gracioso, concorda que hoje os jovens têm mais facilidade com a tecnologia do que com a língua portuguesa. Mas afirma que fica mais fácil escrever corretamente quando o aluno tem algum conteúdo que realmente quer divulgar, como no caso do projeto Imprensa Jovem. "Trabalhamos em cima da informação para então chegar à escrita correta, e não o contrário", explicou.

Os alunos Sara e Rafael, que uma vez por semana trabalham como monitores voluntários no laboratório de informática da escola, têm presença confirmada no evento geek (de fãs de tecnologia).

De lá, os dois — que também são bons alunos de português — contarão para aqueles fora da Campus Party como é o acampamento digital. Já no clima, Sara mudou a ordem da entrevista para o UOL Tecnologia e quis saber, da repórter, se o evento desta quinta dava realmente uma boa ideia do que ela vai encontrar por lá, na próxima semana.


Serviço
Campus Party Brasil 2010
Data: De 25 a 31/01/2010
Horário: Das 10h às 22h (para visitantes; "campuseiros" poderão entrar a partir das 12h de 25 de janeiro)
Preço: Grátis para visitantes; R$ 140,00 para "campuseiros" (participação no evento, posto na arena de computadores e atividades); o serviço de acampamento custa R$ 15,00; o pacote de alimentação para os sete dias de evento (com comida, bebida e sobremesa) custa R$ 165,00.
Local: Centro de Exposições Imigrantes (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 - São Paulo - SP)
Informações no site oficial ou pelo e-mail

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…