Pular para o conteúdo principal

A porrada visual dos PET no Rio Tietê

Quando vejo educadores desesperados por idéias para trabalhar a questão da aula na sala de aula, fico feliz mas, ao mesmo tempo, irritada com a visão quadradinha que é ficar "dando lição de moral" na garotada. É "feche a torneira" pra cá, "economize", pra lá... arre! Às vezes me parece que estão falando de dinheiro, e não de água.

Parece até que a água só sai da torneira, não vem do rio...

É por isso que convido, a quem estiver em Sampa, a prestar atenção com outros olhos na exposição Quase Líquido, com 20 garrafas PET de tamanho gigante, bem coloridas, espalhadas em um trecho de 1,5 km do rio Tietê.

Artista que gosta de interferir na paisagem urbana da capital paulista, Eduardo Srur chama sua arte de "porrada visual". Sua mensagem é clara: ele quer provocar as pessoas de forma lúdica, para que enxerguem o rio Tietê sujo, poluído, feio, de outra forma. Assim, as águas podem sair do utilitário e passar para o poético... e quem sabe é possível despertar o respeito, de verdade, pelo rio e suas águas na paisagem paulistana.

Para quem mora em São Paulo, vale a pena visitar a obra ao vivo, entre as pontes do Limão e da Casa Verde, na Marginal Tietê. Dá até para fazer um passeio de barco para esse trecho do rio, se você der sorte de conseguir vaga, aos domingos (informe-se pelo telefone 11.5094-4480 e no site do projeto Navega São Paulo).

E no Centro Cultural Itaú (av. Paulista, 149, perto do metrô Brigadeiro), confira o video com o making-of da exposição. Entre outros, você vai ficar sabendo que os 20 pets foram feitos de uma estrutura recoberta com plástico resistente, que vão virar duas mochilas no final da mostra.

Vá logo! A exposição no rio Tietê termina no final de maio.

Comentários

Joana Darc de Almeida disse…
Pois é, colega... reflexos da "educação bancária" que infelizmente ainda não mudou. Ainda! Chegamos lá.
Josete disse…
Oi Débora! Adorei este post!
Ontem mesmo indo à Guarulhos minha filha me chamou atenção para o tamanho das garrafas pet! E eu disse que isso era Educação Ambiental.
Admiro o autor da exposição e acho que ele consegue fazer Educação por meio da Arte.
André Cardoso disse…
E eu que achava essa história de garrafas PET meio sem sentido... bom saber que o artista tem uma motivação que vai além de chocar e impressionar.
Salete disse…
Olá, Débora! Ótimo blog o seu! Gostei da sua visita e digo que tenho mais dois em parceria com alunos do Midias na Educação:
http://www.midias41.blogspot.com/ e http://www.midias8.blogspot.com/ (este último começou agora)
Beijuuuussss, Salete
Fábio Brito disse…
O conceito de Srur é genial. Em MG acompanhei essa semana uma Fundação interessada em realizar algo similar por lá. Tomara que copiem!
Declev disse…
Oi Débora,

Parabéns pelo saite.

Te convido a visitar minha página, que tem assuntos correlatos, insclusive sobre a questão da educação ambiental e o lixo:

http://diariodoprofessor.com
http://hebdomadario.com

Abraços.
Nem todos os educadores tem esta visão quadradinha da educação ambiental como vc diz. Não podemos generalizar. Nem todos os ambientalistas são bons caráters.
Sou metalúrgico e estudo a educação, e vejo em minha cidade o compromentimento das educadoraras sainda das 4 paredes de aula.

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!