Pular para o conteúdo principal

Crianças participam de livro sobre a cultura caiçara

"Nunca vi um livro assim, que fala das crianças que nem criança", diz a paulista Giovana Menezes Veronez, a menina da foto, do alto de seus 10 anos de idade.

O livro que chamou sua atenção - e que ela leu em cinco dias - é o Manual da Criança Caiçara, de Marie Ange Bordas (Editora Peirópolis, R$ 34). Não é qualquer livro: produzido pela jornalista, em parceria com a Associação de Jovens da Juréia, no litoral Sul de São Paulo, trata-se de um projeto colaborativo. Foi escrito a partir do olhar das próprias crianças de comunidades caiçaras, que vivem na região costeira do estado paulista.

Falta de material didático sobre a cultura caiçara foi o ponto de partida para o projeto.

O texto é da autora, que teceu um mosaico sobre brincadeiras, causos, comidas, artesnato tudo o que compõe o jeito de viver de quem está na Juréia, em um texto fácil de ler. Mais de 10 crianças colaboraram, com desenhos, papos e fotografias.Marie Ange criou diversas fotocolagens para ilustrar as histórias do livro e diz que se inspirou na própria garotada para criar momentos de ficção: no livro, há um capítulo chamado "Caderno do Lucas", que traz as idéias do menino Lucas Gabriel, entendedor de peixes e outros bichos da mata local.

Sobre o processo colaborativo, Marie Ange lembra que não foram as pessoas a escrever. Porém, sua atuação foi mais como mediadora. "Como artista funciono num primeiro momento mais como um agente provocador que instiga as pessoas a enxergarem a riqueza de seu dia a dia e de forma informal, vou costurando e dando novas formas a esta riqueza", diz ela, que continua: "Em um segundo momento, me beneficio da minha inserção social e profissional para servir de interlocutora entre mundos que, infelizmente, nem sempre dialogam".

Coloquei essas frases com destaque, porque eis a alma de um trabalho colaborativo que é um desafio, quando não é possível com que as pessoas de um lugar escrevam com suas próprias mãos um livro, um jornal, um video. Tendo um olhar como o da autora, que respeita os saberes locais e coloca o seu talento de escritor, de artista, a serviço destes saberes, o resultado pode ser bastante positivo.

E em tempos que se fala tanto de educomunicação, vale a pena pensar não somente em oficinas pra ensinar as pessoas a participar de programas de rádio ou fazer jornais e blogs, mas investir, também, em projetos colaborativos para materiais didáticos que tragam o ponto de vista dos próprios comunitários, e atraiam crianças como Giovanna pra conhecer um mundo do qual ela faz parte, mas não participa por ser uma realidade aparentemente distante.

Só aparentemente. Que o grande barato do livro é mostrar a garotada brincando em um cotidiano muito parecido com o de muitas outras crianças do Brasil...

Comentários

Aldo Liro disse…
adorei o artigo!
A cultura caiçara é maravilhosa e como toda tradição está se perdendo nas novas gerações. Parabéns para a autora do livro e prá quem divulgou tb! E que bom que uma criança da cidade tb gostou do livro! Viva a cultura! e viva a cultura caiçara!

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!

Parábola da escola animal

Texto inteligente do filósofo Osho, publicado no blog Palavras de Osho. É para se pensar...

"Um amigo me enviou esta linda história. Eu gostaria que você a conhecesse; ela pode ajudar. A história se intitula "A Escola Animal".

Um dia os animais se reuniram na floresta e decidiram criar uma escola.Havia um coelho, um pássaro, um esquilo, um peixe e uma enguia, e eles formaram uma Diretoria.

O coelho insistiu na inclusão da corrida no currículo. O pássaro insistiu na inclusão do voo no currículo. O peixe insistiu na inclusão da natação no currículo. E o esquilo disse que a subida perpendicular em árvores era absolutamente necessária ao currículo.

Eles juntaram todas essas coisas e escreveram um roteiro do currículo. Então insistiram em que todos os animais aprendessem todas as matérias.

O coelho, embora tirasse um "A" em corrida, teve uma enorme dificuldade em subida perpendicular em árvores. Ele sempre caía de costas. Logo ele teve um tipo de dano cerebral e não …