Pular para o conteúdo principal

Bahia apresenta mais uma produção comunitária de cinema



Literalmente, uma câmera na mão e uma idéia na cabeça faz sentido para a turma do Cineclube Caravelas. Essa pequena cidade do litoral do Extremo Sul baiano, mais conhecida na mídia pelo Parque Nacional Marinho de Abrolhos, abriga um movimento cultural chamado Arte Manha, que entre outros produziu o lindo Não Mangue de Mim - que eu costumo utilizar em oficinas de educação ambiental e comunicação, por mostrar a realidade dos pescadores em uma história escrita, feita e dirigida pelos próprios comunitários.

Esta semana o grupo lançou o filme acima, Itajara e o Fantasma do Farol, uma história que mistura crítica a exploração do petróleo na região, romance e valorização da cultura afro-indígena. Há música, rituais pataxós, capoeira e participação de Tetha, membro da comunidade de Cumuruxatiba, que também é um dos repórteres comunitários do jornal Tanara, cujos participantes fazem parte da Reserva Extrativista Marinha do Corumbau.

As unidades de conservação do Extremo Sul, aliás, estão de parabéns por se envolverem com a produção de cultura local e de canais de comunicação, não necessariamente institucionais. No caso de Itajara, a paisagem é o maravilhoso Arquipélago de Abrolhos, um dos servidores do ICMBio (Marcelo Lourenço) participa da produção e o apoio da unidade foi indispensável.

Vale destacar ainda que a área de educação ambiental e educomunicação necessita, e muito, desse tipo de produção para a realização de oficinas e atividades como cinema ao ar livre, por exemplo. Vejo projetos gastando dinheiro criando filmes que servem mais de propaganda de instituições, com entrevistas chatérrimas feitas com pessoas que normalmente não nos interessam, do que como canais realmente a serviço da educação ambiental e da comunicação enquanto diálogo com as comunidades.

Parabéns, novamente, Caravelas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!