Pular para o conteúdo principal

Índios - e negros, japoneses, brancos, brasileiros

Enquanto houver data marcada no calendário para realizar manifestações, passeatas e botas a boca no trombone enquanto se passa o resto do ano escondido e calado,

Enquanto se apresentar danças e cocares numa escola pra ganhar uns trocados,

Enquanto tiverem vergonha de usar sua indumentária como símbolo de sua cultura,

Enquanto se negar o direito a lutar pela terra,

Enquanto se tratar os indígenas (e outras minorias) como criminosos, enquanto se detona a mata, os rios e os mares com todas as devidas licenças e autorizações que permitem a destruição debaixo dos nossos pés (e ainda por cima fazendo propaganda de página inteira de empresas que fazem coisas do gênero nos jornais),

Enquanto não se ver cenas como a da foto, de um índio curtindo um jornalzinho escrito pelos Sem-Terra, por exemplo, ouvindo a voz de alguém que nem sempre tem voz se expondo,
Enquanto as universidades produzirem conhecimento sobre os índios e esse conhecimento ficar restrito aos alunos da universidade (e olhe lá),

Enquanto índios, negros, japoneses, brancos, caiçaras, pescadores, pobres, analfabetos, gente comum e trabalhadora não tiver acesso a informação adequada sobre o que pode fazer pra melhorar sua vida, melhorar o planeta,

Mas também enquanto houver índios, negros, japoneses, brancos, caiçaras, pescadores, pobres negando as suas origens e ainda por cima agindo com desonestidade para tirar vantagem da situação de forma pejorativa, detonando a imagem dos movimentos positivos,

... nós vamos ter que continuar aguentando o Dia do Índio sendo comemorado de uma forma realmente torta nas escolas, inserindo nas crianças a dúvida de que temos a cultura e a questão indígena intrínseco as nossas origens, da mesma forma que nem sempre se mostra que o leite vem da vaca, que a energia vem do petróleo e custa caro.

... nós também vamos continuar aguentando a mesma ladainha de sempre, de que índio é preguiçoso, baderneiro e que não direito a nada, porque segundo a voz corrente não temos mais índios, só uma gentalha que se traveste em datas comemorativas pra ganhar uns trocados, vender artesanato, meter a mão em benefícios e encher o saco.

... e por fim, seremos sempre uns brasileiros toscos, que não acreditam nos direitos das minorias, que por isso mesmo deixa de ter esperança que dá pra mudar, dá pra lutar. E, principalmente, dá pra se reconhecer dentro do tão diverso planeta Brasil que dividimos. Uns com os outros.

E se alguém reclamar sobre esse texto, um aviso: viva o Índio nesse dia 19, e viva a liberdade de expressão que a internet (ainda) permite! Faça a sua parte e abra a boca também!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…