Pular para o conteúdo principal

SP digital. E o resto do Brasil?


Recente comentarista da Rádio CBN fala em pesquisa da Motorola que aponta São Paulo como a cidade com maior estrutura para as tecnologias da informação, em toda a América Latina.

Enquanto isso, aqui na Bahia e em muitos outros estados, com certeza, tartarugas andam mais rápido que os projetos realmente inclusivos, que avançem na inclusão digital, ajudem as pessoas a entender para que serve um e-mail e sirvam para que as escolas (e as comunidades) se apropriem das ferramentas da internet.

São vários mundos dentro de um mesmo país. E quando e como vamos avançar na realidade digital, se não para igualar-se a São Paulo, ao menos entrarmos nesse universo da internet que pode, e deve ajudar a cidadania, a cultura, a educação ambiental?

Tem gente distante do Estado mais desenvolvido do Brasil, que está usando a internet: uma tribo na Amazônia conseguiu fazer parceria com o Google Earth e agora aponta focos de desmatamento na ferramenta. De quebra, conseguiu equipamentos e formação para sua comunidade (leia a reportagem do caderno LINK clicando aqui).

E pensar que o autor dessa idéia, um cacique da tribo suruí, xeretou o Google Earth pela primeira vez numa lan-house, que é onde os milhões de sem-computadores acessam ORKUT, MSN e quase nada mais...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!