Pular para o conteúdo principal

Previsões, ou melhor, reflexões para 2008

Artigo publicado no site Akatu. Vale a pena refletir nessa correria de fim de ano!

No universo, sinais de uma
transformação radical no planeta
Em dezembro de 2008, Plutão entra em Capricórnio, anunciando tempos difíceis e de mudança de comportamento da humanidade

Comentário do Akatu: Vivemos em um mundo de enorme complexidade. Compreendê-lo é uma tarefa de gigantes. Várias formas de construção do conhecimento e de reflexão podem ser usadas para isso. Daí a nossa decisão de levar aos leitores do Boletim e do site do Akatu um artigo que toma como base uma reflexão sobre os fenômenos astrológicos.

É interessante ver como as diversas características do mundo descritas no artigo de Ciça Bueno estão de fato se revelando. A eleição de Barack Obama, como sinal emblemático de mudança, é um dos fenômenos que pode ser visto nesta ótica. Tanto para os que acreditam na astrologia, como para os que não acreditam, vale a leitura do artigo de Ciça Bueno, que faz refletir sobre o papel do humano no mundo e sobre a sociedade planetária que estamos construindo.

"O fenômeno astrológico mais importante do ano e da década é a entrada de Plutão em Capricórnio. Senhor das transformações inevitáveis, Plutão é chamado de planeta do poder, porque rege o inconsciente pessoal e o coletivo que habitam em cada um de nós e aos quais só temos acesso se ele desejar e permitir. Plutão traz do inconsciente o que está reprimido e o resultado pode ser explosivo e perturbador ou transformador e curador. Plutão entra em cena sempre que há abusos, excessos e manipulação de poder. E abusos costumam ter conseqüências fatais.

Plutão quer acertar contas, ajustar desequilíbrios, pôr tudo no seu devido lugar. Como senhor do carma, o planeta da reencarnação é radical e implacável: mata o velho para que o novo possa emergir. Por isso mesmo, também é considerado um símbolo de criação, regeneração e renascimento. Saturno rege o carma pessoal e Plutão rege o carma coletivo. No signo regido por Saturno, Plutão deve promover uma transformação radical no planeta e no comportamento da humanidade.Plutão rege o poder e a ânsia por ele.

Uma vez em Capricórnio, assistiremos a todas as formas de poder e controle mudarem de mãos, sejam eles políticos, econômicos, sociais, territoriais ou comportamentais.

A questão ambiental é um dos temas que serão abalados por esta composição radical, já que há décadas a Terra vem sendo poluída, extorquida e aviltada pelos países desenvolvidos e agora também pelos países emergentes. Seus recursos são finitos e a escassez de alimentos, de energia, de água potável e de ar puro será inevitável.

A agricultura, que vinha muito desvalorizada, tomará lugar de destaque nos próximos anos, com a conseqüente escalada de preços e políticas severas.

Haverá uma valorização das essências e das estruturas, do reaproveitamento e da reciclagem, das atitudes e comportamentos que evitem desperdícios. Com isso, os hábitos de consumo, alimentação, vestuário e moradia tendem a mudar muito. Em contrapartida o supérfluo, o dispensável e o efêmero tendem a perder todo o seu valor.

A força e a violência, que são temas regidos por Plutão, devem aumentar, assim como a insegurança diante da vida que passa a ter poucas garantias frente a tantas necessidades. Essa tendência vai gerar um aumento nos sistemas de controle e de segurança, vai incrementar o setor de seguros e diminuição de riscos, vai dar espaço para regimes políticos mais autoritários. Haverá uma valorização do grupo, das associações e das comunidades em detrimento do ego, das aparências, do carisma e das trajetórias pessoais. Os temas ligados à longevidade, saúde, qualidade de vida, segurança e previdência ganharão importância. A lei do eterno retorno vai resgatar o classicismo, as antiguidades, a história, as tradições, os mitos, a arqueologia, a museologia.

As relações familiares estarão em baixa, uma vez que Capricórnio é a sombra de Câncer, o signo da intimidade, do lar e da família. Conseqüentemente, tudo será profissionalizado: poderemos ter tudo o que quisermos desde que paguemos por isso. Pena que os afetos e sentimentos também virarão mercadoria.

Atravessaremos uma fase de “raspa do tacho”. Em vez de tentar se dar bem a qualquer custo e levar vantagem em tudo, a melhor atitude a adotar é trabalhar o desapego, evitar os excessos e desperdícios, se responsabilizar pelo planeta, pelo meio-ambiente e pelas pessoas à nossa volta, sendo solidário e não abrindo mão de sentir amor e de ter fé, artigos que serão raros e caros num futuro próximo".

Comentários

Josete disse…
Querida Débora!
Passei para desejar feliz 2009 e que neste próximo ano possamos nos encontrar muitas vezes em prol da pesquisa e luta pela preservação do Meio Ambiente. Beijos,
Cybele Meyer disse…
Olá Débora,

Tem um selinho para você lá no meu blog.
Passe lá para pegá-lo, ok!
Já começamos o ano com presentinhos.
beijinhos
Josete disse…
Débora,
Eu também estou te homenageando com o Prêmio Dardos. Passe no meu Blog Informática Educativa para apanhá-lo.Bjs,
Conceição EJA disse…
Também estou lhe repassando o Premio Dardos... Mas está no meu outro blog: http://culturadaescola.spaces.live.com

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!