Pular para o conteúdo principal

E a educação ambiental no MMA, como vai ficar

Post do educador ambiental Fábio Deboni em seu blog:

30 dias depois...

Passados 30 dias da solicitação do cargo do ex-diretor de Educação Ambiental do MMA, Marcos Sorrentino, o DEA fica hoje sem comando.
Seu Diretor substituto interino sai hoje de cena, e o DEA fica completamente à deriva. Isto porque o atual ministro enfatizou em mais de uma vez em seus discursos que apreciava muito a Educação Ambiental….

Infelizmente não é o que se está vendo na sua gestão.

Mesmo durante estes 30 dias quem estava despachando oficialmente pelo DEA era o chefe de gabinete da Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania (SAIC), Sérgio Bueno. O então diretor adjunto – José Vicente Freitas – sequer foi exonerado formalmente e, no entanto, não ficou como diretor interino quando do pedido do cargo pelo ministro.

Enfim, fatos sem maiores explicações…

E pra completar a emoção, ontem o Secretário da SAIC, Hamilton Pereira, pediu demissão. Mais uma baixa no MMA.

Voltando ao DEA, o que se viu até agora foram meras especulações, nomes circulando nos bastidores e nos corredores e supostos convites feitos que não foram aceitos. Mas para além destas questões o que nos vêm à tona no momento é: como e para onde vai rumar o DEA? Suas políticas serão mantidas? O que será alterado?

Como não temos estas respostas, e, pelo andar da carruagem, não a teremos enquanto não houver o anúncio do (a) novo (a) diretor (a) do DEA, pergunto: como seguimos?

O tempo verbal na primeira pessoa do plural remete a reflexão para a Rede Brasileira de Educação Ambiental (Rebea), enquanto um coletivo nacional de educadores ambientais, do qual faço parte.
Vamos aguardar os acontecimentos ou nos posicionarmos? Como nos posicionarmos politicamente nesta questão?

Não podemos nos esquecer que daqui a 30 dias está agendado o encontro das Redes com o Órgão Gestor da PNEA. Mas, pelo visto nem interlocutor oficial no MMA temos.

Vale a pena mobilizar recursos públicos para uma reunião assim? Ao mesmo tempo, desmarcá-la não seria um sinal excessivo de tranqüilidade ao novo ministro? Afinal, bem sabemos que os governos funcionam a partir das pressões da sociedade, e, desta forma, o Encontro de Redes poderia ser encarado como um desafio a ser enfrentado pelo novo comando do DEA.

Vale lembrar que está previsto para ser publicado hoje o Relatório do GT de Educação Ambiental do Instituto Chico Mendes….A seguir, cenas do próximo capítulo….

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!