Pular para o conteúdo principal

Mirellen, 11 anos: repórter-mirim na cobertura da Festa da Tainha (Caraguatatuba, litoral Norte de SP)

O que uma festa tem a ver com meio ambiente e cultura? É o que a repórter mirim Mirellen da Silva Souza, 11 anos (na foto, de gravador em punho), foi entender durante a realização da Festa da Tainha, em Caraguatatuba.

Entrevistando os organizadores e participantes do evento – de artesãos às cozinheiras das barracas especializadas no pescado – Mirellen descobriu, entre tantas outras coisas, que a festa surgiu na beira do rio Juqueriquerê para que os pescadores pudessem valorizar a tainha fazendo pratos como peixe assado, durante alguns dias de julho, época em que é pescada.

E descendo o rio de barco pela primeira vez, até o encontro do rio com o mar, Mirellen entendeu porque é preciso preservar o rio. Apesar de desmatado e poluído em diversos trechos, o Juqueriquerê tem grandes áreas de manguezais preservados. É onde peixes como a tainha encontram abrigo para desovar e viver um período de suas festas. Sem rio limpo e sem mangue, observou a menina, não tem tainha, e nem festa...

Acompanhe as entrevistas que Mirella fez com um dos organizadores do evento e com uma das voluntárias do
Instituto Supereco, que organiza atividades de educação ambiental na região do rio Juqueriquerê:

Entrevista com Denis Santana Garcia
Presidente da Associação dos Pescadores do Porto Novo e um dos organizadores da Festa da Tainha

Quem teve a idéia de fundar a festa?
A festa foi fundada pelos próprios pescadores da zona Sul de Caraguá, para que eles pudessem vender a tainha que eles pescavam e ganhar um pouco mais de dinheiro. A tainha quando é vendida fresca tem um valor reduzido; e quando você prepara um prato bonito, agrega valor, e aí nessa época, quando temos pouco turistas, os pescadores podem ganhar mais. A festa era pequenininha, foi crescendo e hoje ajuda bastante na renda das famílias dos pescadores.

O senhor nasceu aqui?
Eu nasci em São Paulo. Tenho casa aqui desde que tenho três anos, mas moro aqui há 10 anos.

Existe alguma lenda da Festa da Tainha?


Sim, e para explicar essa lenda vou contar uma historinha. Aqui onde era a Fazenda Serramar, era a Fazenda dos Ingleses. E essa fazenda cultivava frutas como laranjas e bananas. Essas frutas eram trazidas de lá da fazenda Serramar de trem, até a beira do rio Juqueriquerê, e aí barcaças de ferro levavam as frutas até navios que por sua vez levavam as frutas até o mar. Ainda existem ruínas dessa estação de trem e um dia pretendemos revitalizá-la, para andar no trenzinho dentro da Fazenda Serramar. E a lenda diz que embaixo do cais do trilho do trem, foi pescado um peixe, o mero, de 180 quilos!


Entrevista com Silvana Chaves
Professora e voluntária do Instituto Supereco

O que você faz na Supereco?
Participo do programa Ciclos Contínuos.

O que é isso?
É um trabalho que a Supereco está desenvolvendo sobre o Rio Juqueriquerê.

E o que o rio Juqueriquerê significa para você?
Eu acho que é o futuro para as novas gerações. Hoje em dia o rio já está bastante poluído e desmatado, jánmquase não temmais peixes. Então se a gente não cuidar hoje, o que vai ser para a futura geração?

Como a comunidade pode ajudar o rio?
Se cada um fizer a sua parte, só não jogar o lixo no rio já é alguma coisa. Não desmatando também: hoje em dia as pessoas quase que construíram suas casas dentro do rio, tomando a margem. Então, se cada um fizer um pouquinho, vamos conseguir manter o rio vivo por muito tempo.

O que você está achando da Festa da Tainha?
Estou achando muito legal, tem muita gente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!