Pular para o conteúdo principal

Educação ambiental é um ato político. Feliz ou infelizmente

Você anda desacreditado que a política pode dar certo? Eu também andava, até conhecer a equipe do Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (DEA/MMA). Conheci pouco, mas o suficiente para perceber que eles estão escrevendo a história da educação ambiental no Brasil em sua instância mais difícil - mas necessária, que é a política...

E eles trabalham, viu? Conseguiram implantar mais de 400 salas verdes - que são espécies de "pontos de cultura sócioambiental", com bibliotecas, computadores e atividades direcionadas para a educação ambiental. Construíram 150 grupos denominados Coletivos Educadores, que reúnem instituições e pessoas em constante processo de formação na área. E alavancaram o uso da educomunicação com foco socioambiental - embora ainda não tenham divulgado o documento da Política de Educomunicação atualizado, fizeram muito em reconhecer a educomunicação também como política...

E ainda avançaram na máquina burocrática do governo, mesmo fazendo parte do governo. A biblioteca do site têm materiais preciosos para quem trabalha com educação ambiental - clique aqui para dar uma olhada - e driblaram o espaço cibernético da instituição MMA criando blogs coletivos. Vão testando metodologias e ferramentas, errando e acertando, e o mais importante, avançando.

Tudo isso não foi mera propaganda gratuita pro governo. Foi propaganda, sim, mas de uma equipe que está perdendo seu mentor, infelizmente, por questões políticas. Marcos Sorrentino, biólogo e doutor em educação pela Universidade de São Paulo (USP), está se desligando do departamento...
também o conheci pouco, mas o pouco que já me mostrou não só a preocupação política de ter visibilidade dentro do Ministério, mas a vontade de difundir a educação ambiental para além das aulas de biologia. Cabeça boa o cara tem. Não vou esquecer o dia em que ele falou dos desenhos animados da Pixar como bacanas para trabalhar educação ambiental para crianças... parece óbvio para quem tem a cabeça aberta, mas imagine quantos educadores torceriam o nariz pra uma prática envolvendo desenhos animados americanos, ainda por cima...

Sorte dos alunos do Programa de Pós-Graduação de Ciência Ambientai (Procam-USP), onde ele dá aulas. E sorte do novo diretor de educação ambiental do MMA, que vai encontrar um campo fértil de idéias e ações criativas, que o farão avançar muito mais - assim nós, educadores ambientais, esperamos!

Para homenagear seu trabalho, Marcos (alguns podem chamar de "puxar o saco", mas esse termo nem faz mais sentido agora), aí vai um poema da educadora ambiental Bel Dominguez, do Coletivo Educador Cescar, em São Carlos (SP), inspirado em outro poeta, Carlos Drummond de Andrade (leia: E agora, José?). E agora? Agora só resta esperar que a educação ambiental continue avançando...

E agora?
A EA que a gente vem praticando - e portanto existe - tem nome!
Feita - é verdade -
Também em nome de muitas Marias e Josés sem ou com frágil voz...
Educação Ambiental
Que faz fazer versos, amar e protestar
conquanto seja mais diversa, integrativa, práxica, dialógica, propositiva, emancipatória...
Respeitosa - ao contrário de tanta pretensão
que tem zombado da maioria das mulheres e dos homens.


Educação Ambiental
como uma chave
Que abre portas
E libera a energia presa
desses Marias e Josés sufocados
Fazendo com que a Utopia
possa um dia vir a Ser
Porque alimenta a marcha
Que faz a arte acontecer
Para a celebração
E a continuidade da Vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…