Pular para o conteúdo principal

Ser ecológico é ser... você mesmo!

Achei um texto de minha autoria publicado na Revista Viração, no ano passado. Está bem atual e decidi compartilhar com vocês... aí vai:

Aquecimento global, desmatamento na Amazônia, poluição: não páram de falar nisso nos jornais! Mas a pergunta do momento é: na real, o que EU tenho a ver com tudo isso? É chato ler jornal e não entender direito o que está acontecendo lá na Amazônia... ou imaginar o gelo lá da Antártida derretendo, se mal sei onde fica a Antártida... os meios de comunicação não falam a minha língua.

Apresentam números, nos assustam ao avisar que a temperatura do mundo vai mudar, que os mares vão subir mas, e daí? Não moro na praia, não me importo tanto assim se faz ou se faz frio... Não fique chocado. Para ser sincera, a maioria das pessoas a princípio pensa assim quando lê tantas notícias negativas sobre o que anda acontecendo com o nosso planeta. E a maioria dos veículos de comunicação não colabora: mostram números e mais números, divulga catástrofes, mas não faz o leitor sentir-se parte de tudo isso que está acontecendo. É como se estivéssemos assistindo a uma novela na TV, sem poder de decisão sobre a vida dos personagens. Só que essa novela é da vida real.

E tem tudo a ver com você, sim senhor. A demanda de energia é um dos grandes motivos do desequilíbrio ambiental no mundo, assim como a grande quantidade de lixo que é gerada diariamente. E você, jovem, consumidor ativo que já vive suas próprias escolhas, é ator desse drama que envolve o mundo inteiro.

Sentindo-se culpado e triste? Antes de ficar deprimido ou desistir de lutar, já que as coisas, pelo que parece, “não tem jeito mesmo”, lembre-se de uma palavrinha que pode mudar tudo: ATITUDE. Pense, reflita antes de comprar, gastar, consumir. Tome banhos mais curtos, desligue a TV quando não estiver assistindo, não jogue de bitucas de cigarro na rua, coma menos porcarias ... são todas atitudes positivas. Se você fizer um pouquinho dessas coisas, e ainda convencer seus amigos a fazer o mesmo, já vai ajudar e muito o planeta a ser um lugar melhor para se viver.

Ainda não ficou satisfeito só tomando essas atitudes? Bem-vindo ao clube... eu também não estou contente em apenas deixar de comer carne vez em quando, ou reciclar meu lixo. Não me contento em ser apenas uma atriz nessa novela da vida; quero escrever a história.

Como é que se faz isso? VÁ A LUTA! Ajude a escola do seu bairro a diminuir a quantidade de lixo. Junte os amigos para defender uma área verde que corre o risco de ser derrubada para dar lugar a prédios. Reúna professores, pais, comerciantes para palestras sobre porque é importante economizar água. E bote a boca no trombone, com organização, sempre que for necessário. Ser ecológico é... ser você mesmo. É trazer mudanças para a sua vida pessoal e acreditar que é possível mudar a consciência coletiva, que vai trazer qualidade de vida.

É isso que me move, embora não seja tão jovem no RG, a juventude está no tesão de acreditar que as coisas boas podem acontecer. E se os jornais continuam avisando que o mundo vai acabar em catástrofe... não se aflija! Embora a imprensa não consiga exercer tão bem o seu papel de “chacoalhar a sociedade”, que não acorda, temos que tirar o chapéu para a democrática enxurrada de informações a que temos acesso. Só precisamos, no entanto, saber tirar proveito delas para o nosso cotidiano...

Comentários

William disse…
Débora,

Muito legal seu blog. Acredito que a saída para uma mudança "sustentável" de comportamento, passa necessariamente pela educação ambiental. Não adianta fazer apenas minha tarefa de casa, pois eu não moro sozinho na "casa". No seu texto vc expressou bem o dilema que tenho vivido ultimamente e deu uma solução brilhantemente simples. Já tive oportunidade de dar palestras sobre resíduos sólidos (área em que trabalho) e foi muito gratificante. Vou levar adiante a idéia. Um abraço!

William

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…