Pular para o conteúdo principal

Tem gente mudando o mundo com a ajuda da internet

Dá para mudar o mundo com a ajuda da internet? Se depender da professora Josete Zimmer, dá sim. O uso da tecnologia na sala de aula não só ajudou os alunos a dominarem a leitura e a escrita, como está contribuindo para divulgar um projeto ecológico que deu certo.

Junto a outros professores de uma escola estadual na zona Oeste de
ão Paulo, ela está conseguindo - com o auxílio da rede mundial de computadores - multiplicar uma experiência de mobilização para proteger uma grande área verde que viria abaixo.

Josete é professora de educação física e passa pelos Campus Party (o grande evento de tecnologia que está acont
ecendo em São Paulo) para trocar idéias com colegas-educadores do mundo virtual. Sua vida profissional mudou depois que ela tomou contato com a internet. Tornou-se professora da sala de informática e passou a auxiliar a escola em um projeto chamado Teófilo na Mata - onde se reuniram a uma ong local para impedir que uma grande área de mata atlântica, vizinha ao colégio, fosse derrubada.

Fizeram trilhas para conhecer a mata, e depois atividades na sala de aula que incluíram o envio de cartas e e-mails cobrando das autoridades uma posição sobre a área verde. Resultado: a área foi tombada, e virou parque ecológico. Tudo foi registrado num blog, uma forma de documentar - e compartilhar - todo o processo que a escola passou durante esse período.

Isso faz cinco anos. Josete se aposentou. Mas continua atuando como voluntária no Teófilo Otoni. Um dos objetivos da escola, este ano, é preparar uma "exposição itinerante", para que outras instituições de ensino possam se inspirar e partir para projetos onde a mobilização dos alunos e da comunidade é uma das conseqüências principais. "Faz diferença ter um blog. É uma forte ferramenta de mobilização", lembra Josette.

Efeito viral

Quem teve a oportunidade de acompanhar a conferência do pensador em cuiltura digital Steve Johnson, ontem (quinta, 15) no Campus Party, enxergou: o
poder da comunicação via internet vai além, muito além do que a mídia convencional acaba publicando... e é um efeito viral, multiplicador.

E é nesse poder que reside a força motora para provocar mudanças de atitude! São três mil pessoas no Ibirapuera, em São Paulo, não só falando "assuntos de nerd tecnológico", como muita gente tem dito por aí. Aqui é a grande a efervescência de idéias, especialmente entre os "blogueiros verdes" - como o jornalista santista João Malavolta, do site Ecobservatório.

"O grande desafio do CP-Brasil 2008 é o de otimizar o uso de novas tecnologias para possibilitar o maior entretenimento possível dos participantes. No entanto essa foi uma oportunidade desperdiçada de enraizar a questão ambiental de fato junto aos internéticos campuseiros que estão totalmente atentos as inovações tecnológicas e olham timidamente para a o desafio da preservação ambiental", espinafra o rapaz.

Esse espaço para o meio ambiente pipocando em diversos blogs é que, aos poucos, alimenta o debate: "como é que se muda o mundo pela internet"? Desse jeito mesmo. Caótico e viral. Mas não é a tecnologia, na verdade, que vai melhorar o planeta... mas a forma como a professora Josete está fazendo uso dela.

Comentários

Malabei disse…
See here.
Josete disse…
Oi Débora!
Obrigada! O que você escreve motiva ainda mais a continuidade desse projeto! Embora as tecnologias da informação e comunicação na escola, tenham sido inicialmente para criar uma cultura de uso pelos alunos, professores e comunidade, nossa intenção foi de aproveitar essa cultura de forma mais abrangente, pois sabemos que o uso eficiente da internet, pode causar mudanças incríveis na escola e sociedade! É por isso que vamos continuar na luta!Parabéns pela matéria! Beijão,
Josete

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…