Pular para o conteúdo principal

Educação ambiental deve trabalhar decididamente na comunidade e nos grupos coletivos sociais

Publicado no portal Envolverde, o texto do jornalista Hernán Sorhuet Gelós convida a refletir: porque não avançamos na educação ambiental? Acompanhe:

"Ninguém deveria ignorar que estamos imersos em uma profunda crise ambiental. Põe em risco o presente e o futuro da humanidade.O paradoxo do nosso tempo é que quando se alcançou níveis desconhecidos de desenvolvimento econômico, de produção e consumo, ao mesmo tempmo se abate sobre a humanidade a terrível ameaça da mudança climática, aumenta a pobreza e a marginalização, avançam as terras áridas sobre as férteis, se erode o caudal genético do planeta, a água potável vai se transformando num recurso escasso, aumenta a concentração humana nas cidades, baixa a produtividade pesqueira e se deterioram os ecossistemas essenciais para a saúde ambiental planetária.

É evidente que algo está muito mal. Com tantos alarmes soando, a “insustentabilidade” dos modelos aplicados se demonstra dia a dia.Que se pode fazer? É preciso provocar uma mudança conceitual e estratégica em todos os setores da sociedade, o mais rápido possível.A educação ambiental é a melhor ferramenta a nosso alcance pra consegui-lo. Por várias razões. Assinalamos duas: porque se apoia no sentido comum, e porque deveria ser capaz de provocar mudanças na forma de ver e avaliar a realidade nas pessoas, tanto no plano individual como coletivo.Sem dúvida, temos um problema a resolver. Há mais de três décadas se impulsiona a educação ambiental em todas as partes, e as metas seguem no horizonte.Por que não estamos já em uma segunda fase?

Temos algumas explicações.Em primeiro lugar, ainda não conseguimos superar um aspecto conceitural básico.Muitos educadores e quase todos os tomadores de decisão seguem percebendo “o ambiental” exclusivamente como “o ecológico”.



Este empobrecimento do conceito inevitavelmente conduz a decisões equivocadas, pois falta considerar o social, cultural, político e econômico.Também segue sendo um obstáculo intransponível a rigidez dos sistemas e estruturas educativas para conseguir a flexibilização de conteúdos e estruturas educativas para atingir a flexibilização de conteúdos e enfoques que propõe a educação ambiental.

Enquanto isso, segue-se protelando uma sólida formação ambiental do corpo docente.Como explicação de fundo, devemos dizer que a educação ambiental se move em um terreno de permanente conflito.Significa que os acontecimentos, o sentido comúm e a análise detida da crise ambiental dominante, conduzem a algumas inquietantes e incômodas conclusões.

Devemos mudar: a) o modelo de gestão e uso dos recursos e o modelo de consumo imperante, impondo a poupança, a eficiência, a eqüidade; b) as estratégias de participação da sociedade na tomada de decisões, fortalecendo o empoderamento (exercício do poder pela população para gestionar e resolver seus problemas) e afiançando a governança (governar com maior equilíbrio entre o protagonismo do Estado e da sociedade civil) nosso ideal como indivíduos, onde o êxito pessoal e a autoestima se sustentem em respeito à cooperação, e não ao consumismo e à imposição.Tantas mudanças assustam e incomodam.

Aí está, seguramente, o miolo do problema. Por isso, falar de educação para o desenvolvimento sustentável – como se impõe agora – é perigoso.Poderia manter o modelo que se quer mudar, pois o desenvolvimento sustentável é um conceito ambíguo e confuso.Necessitamos de mais e melhor educação ambiental.

Hernán Sorhuet Gelós é jornalista no Uruguai e escreve regularmente sobre meio ambiente para o El País, de Montevidéo. Tradução de Ulisses A. Nenê/ EcoAgência.

Comentários

Tia Riva disse…
Olá débora, gostei do artigo do Hernán. Curto e preciso. Vou citá-lo em meu programa deste sábado. Penso em fazer uma série de programas com o tema EA. Um deputado estadual daqui apresentou um projeto de instituir adisciplina de EA nas escolas. Levantou a polêmica. Secretarias são contra. Com todo o engessamento da estrutura educacional fico ainda a pensar nas perdas e ganhos. A escola parou no tempo. Contamos com raros professores que rompem as barreiras. abraços

Emmerson Kran
Goiânia
Programa Conexão Ambiental

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!