Pular para o conteúdo principal

Radioativismo ao vivo, pela internet, revivendo Fordlândia (PA)


Às margens do rio Tapajós, um lugar esquecido pelo tempo nos confins amazônicos, ganhou vida este final de semana de 16 e 17 de setembro de 2017. A inciativa Transmissão Fordlândia, em Aveiro, Pará, está trazendo 36 horas de transmissão de rádio ao vivo, com participação da comunidade na construção da programação e locução, foram organizados por uma rede solidária de radiofusão, da qual participa o Idade Mídia (que desenvolve ações de educomunicação e radioativismo a partir de Belém, no Pará) e o coletivo internacional Rádio Espaço Estação.

Fordlândia é um ícone da história amazônica, espécie de símbolo sobre as dificuldades do desenvolvimento capitalista em meio a floresta. O empresário Henry Ford investiu nessa região, na década de 1920, adquirindo 15 mil quilômetros de terras em um ponto do Tapajós, que está a aproximadamente 330 km de Santarém (PA), por terra, com acesso mais fácil em 12 horas de barco.

Ford não queria apenas um latifundio. Ele criou uma verdadeira cidade cercada de árvores. Hospital, comércio, praça com atividades de lazer estavam a disposição de operários e patrões. Mas o rígido regime de trabalho imposto para os imigrantes, somado às adversidades do clima, contribuíram para que o empreendimento não funcionasse.  Nenhuma tigela de látex foi extraída nessa região, lembra Greg Grandin, num texto brilhante sobre Fordlândia escrito para a revista Piauí (em 2010, mas ainda atual).

Devolvido ao governo brasileiro (ou melhor, o Brasil comprou as terras de volta), Fordlândia perdeu moradores. O comércio fechou as portas, o hospital parou de funcionar na década de 1990. Restavam ruínas e saudosos moradores. Alguns turistas mochileiros arriscavam sair do paraíso de Alter do Chão, em Santarém, para conhecer esse fracaso perdido da história. Eu mesma, em 2003, fiz essa viagem e uma crônica inspirada no espanto do que vi (mais ouvi, do que vi) traz um pouco da sensação de um lugar que esqueceram.

Em 2010, no entanto, a história foi relembrada mundialmente com o lançamento do livro Fordlândia - Ascensão e Quedda da Cidade Esquecida de Henry Ford na Selva, de Greg Grandin - à venda no site Submarino. Com o romance elogiado pela crítica norte-americana, houve uma espécie de retomada do tema Fordlândia com documentários, exposições e reportagens.

Para os organizadores do evento, conectar ao presente, por meio do rádio, um lugar tão ligado ao passado, é um processo de aprendizagem entre os moradores locais e os "estrangeiros". Tanto os organizadores da atividade, quanto os ouvintes estrangeiros, uma vez que a transmissão via web tem trechos em português, inglês e espanhol. Uma forma de dar voz, também, à miscelânia da cultura amazônica, que talvez os americanos quando chegaram, não tenham assimilado tão bem. E tirar Fordlândia do estigma de cidade-fantasma.

As cidades da Amazônia merecem mais iniciativas como essas, de radioativismo, utilizando a internet para chamar a atenção do planeta sobre cada história da floresta. Parabéns a iniciativa!

Acompanhe a Transmissão Fordlândia ao vivo - clique o link aqui.


Fotos: Angelo Madson/Idade Mídia




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Parábola da escola animal

Texto inteligente do filósofo Osho, publicado no blog Palavras de Osho. É para se pensar...

"Um amigo me enviou esta linda história. Eu gostaria que você a conhecesse; ela pode ajudar. A história se intitula "A Escola Animal".

Um dia os animais se reuniram na floresta e decidiram criar uma escola.Havia um coelho, um pássaro, um esquilo, um peixe e uma enguia, e eles formaram uma Diretoria.

O coelho insistiu na inclusão da corrida no currículo. O pássaro insistiu na inclusão do voo no currículo. O peixe insistiu na inclusão da natação no currículo. E o esquilo disse que a subida perpendicular em árvores era absolutamente necessária ao currículo.

Eles juntaram todas essas coisas e escreveram um roteiro do currículo. Então insistiram em que todos os animais aprendessem todas as matérias.

O coelho, embora tirasse um "A" em corrida, teve uma enorme dificuldade em subida perpendicular em árvores. Ele sempre caía de costas. Logo ele teve um tipo de dano cerebral e não …

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!