Pular para o conteúdo principal

Download: Guia de Comunicação e Sustentabilidade

Acabo de ler um material fantásico do CEBDS - Centro Empresarial Brasileiro Para o Desenvolvimento Sustentável). E o que é melhor, de graça e acessível para download, como toda publicação que preza pela comunicação e educação (desculpem a rima) deveria ser.

Trata-se do Guia de Comunicação e Sustentabilidade editado pela instituição, que reúne empresas brasileiras preocupadas com a própria sustentabilidade (leia-se: coerência) do tema ambiental mais falado dos últimos tempos. E dá o recado logo no começo da publicação: "o comunicador tem que ser mais que um transmissor de informações".

Embora o discurso seja empresarial, vale a pena ler esse material que oferece uma reflexão pertinente aos dias atuais: o que é mesmo ser sustentável, dentro de uma empresa? Como é que se consegue harmonizar crescimento econômico, inclusão social e ainda diminuir os impactos negativos ao ambiente? Como deve ser comunicada a sustentabilidade na mídia e a outros públicos? Dá para usar vários trechos em sala de aula, para debater com os alunos sobre o tema.

Para quem trabalha na área de comunicação, ou ainda utiliza os serviços de um comunicador (como assessor de imprensa, comunicólogo, relações públicas ou qualquer outro rótulo), o guia traz recomendações importantes para o planejamento estratégico. Aborda um calo no sapato de algumas empresas que estão em fase de crescimento e de busca de identidade - a necessidade de todos os funcionários terem acesso a suas estratégias, missão e posicionamento em sustentabilidade, meio ambiente, desenvolvimento humano e papel social. E lembra também sobre os cuidados que devemos tomar com relação a pegada ambiental na produção das ferramentas que usamos.

É uma grande contradição que ainda temos, mesmo entre os educadores ambientais: você sabe o quanto as tintas usadas na impressão de um folder são tóxicas para o ambiente? Ou qual a necessidade real de se produzir tanto papel e se gastar tanta energia na realização de um evento? É bom prestar atenção na hora de planejar tudo isso, lembra a publicação.

A instituição promete uma segunda edição com contribuições dos próprios leitores. Aproveito para publicar aqui algumas delas:

1. Avançar no quesito fornecedores de serviços. O guia faz alertas, mas o CEBDS poderia investir em uma publicação específica sobre os serviços diversos (de gráfica a fornecedor de equipamentos de som) e nos orientando para as escolhas adequadas. Não basta comprar papel certificado pelo FSC. Mas avançar, como vamos conseguir sem entender como as coisas funcionam?

2. Avançar na mobilização pelas políticas públicas. Só orientar, por exemplo, a substituir o carro pela bicicleta como meio de transporte não basta; dependemos de programas de governo para avançar em determinados setores que têm a ver, diretamente, com sustentabilidade. Então uma orientação de como devemos nos mobilizar por essas causas pode ajudar as empresas, também, a engajarem seus funcionários (e ainda outros públicos, como as comunidades locais no entorno de um empreendimento em construção pela empresa, ou no entorno da própria empresa).

3. Avançar no quesito acesso a informação. Parece óbvio, mas não é. Transparência de informações significa, além de adequação de linguagem, garantir o acesso a estas informações pelos mais diversos tipos de públicos. Só no que se refere às questões socioambientais, vale a pena lembrar que há leis específicas (como a 10.650, que dispõe o acesso público a esse tipo de informação), e as empresas podem - e devem pensar estratégias para garantir a real difusão de informações que influenciam diferentes tipos de público. Inclusive aquele que não tem acesso a internet...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…