Pular para o conteúdo principal

Planejamento de comunicação no Parque Pau Brasil

Representação de corredor ecológico por participantes da oficina
Os conselheiros do Parque Nacional do Pau Brasil, situado no Extremo Sul da Bahia, pensaram estratégias de comunicação e organizaram um plano de ação que recomenda a produção de jornais, site e outras ferramentas para “difundir as informações do parque com mais clareza” e “contribuir para amenizar os conflitos existentes e que surgirem”, entre outros objetivos levantados coletivamente pelo grupo.

A atividade está dentro do projeto de Mobilização, Consolidação e Capacitação do Conselho Consultivo do Parque Nacional do Pau Brasil, onde uma consultoria foi contratada para a renovação, diagnóstico e capacitação junto ao conselho. Após oficinas envolvendo temas ligados às unidades de conservação – legislação ambiental e gestão participativa, entre outros – parte do conselho consultivo passou por uma oficina para elaborar estratégias coletivas de comunicação.

Para auxiliar o planejamento, os conselheiros tiveram acesso a atividades de conhecimento do universo da comunicação. Fizeram leitura crítica de jornais com temática socioambiental, assistiram ao vídeo Levante Sua Voz, que trata do direito à expressão e informação e o poder da mídia, e ainda fizeram um interessante exercício de re-leitura de textos com temáticas ambientais. Entre eles, “O Corredor Central da Mata Atlântica – Uma Nova Escola de Conservação da Biodiversidade”, publicação do Projeto Corredores Ecológicos, elaborada em 2006.

Nessa releitura, os participantes analisaram os textos, tentando avaliar para qual público foram escritos e com que finalidade. Muitos desses textos, segundo os próprios conselheiros, tem linguagem mais acessível para quem é técnico ou tem um bom nível de esclarecimento, mas não foram feitos para a comunidade em geral. Após essa análise, os grupos construídos na oficina tiveram o desafio de transformar os conteúdos lidos em mensagens para serem repassadas à população na forma de cordel, programa de rádio, poesia e até mesmo ilustrações.

Para definir o que é corredor ecológico, uma das equipes tentou reproduzir a conexão de duas áreas de mata preservada e de grande diversidade ambiental e cultural, que caracteriza o conceito para eles. Também fizeram um pequeno teatro, encenando o diálogo de pessoas da zona rural. Para o conselheiro Hudson Borges, a atividade foi positiva.  “Eu tinha uma visão do que seria um corredor, mas não entendia direito, mesmo escutando esse nome em reuniões”, lembra o morador da comunidade do Vale Verde, vizinha ao Parque. “Não adianta participar de um conselho se a gente não entende o que está sendo discutido. E isso dificulta passar isso para a comunidade”, completa.

Parte das atividades e ferramentas sugeridas no plano de comunicação serão implementadas na continuação da consultoria junto ao Parque. Haverá oficinas para a produção de mídias como jornais e um video, abertas a participação da comunidade, onde as pautas e reportagens serão elaboradas pelos próprios participantes. Um grupo de trabalho escolhido entre os conselheiros irá acompanhar e monitorar as atividades.

Por meio de técnicas de comunicação comunitária, é possível elaborar mídias colaborativas como jornais, vídeos, programas de rádio. Há experiências interessantes na construção dessas ferramentas junto a comunidades no entorno de unidades de conservação.

Pescadores e moradores que vivem próximo à Reserva Extrativista Marinha do Corumbau, entre Prado e Porto Seguro, estiveram presentes na oficina de planejamento de comunicação contando a trajetória do jornal comunitário TANARA, que surgiu a partir de oficinas de educomunicação oferecidas à comunidade pelo Instituto Chico Mendes da Biodiversidade. Eles também mantém um blog.

O Parque – Criado em 20 de abril de 1999, o Parque Nacional do Pau Brasil foi ampliado em 2010 e conta hoje com uma área de 18.934 hectares. Com vegetação característica de Mata Atlântica, fica no município de Porto Seguro, um dos destinos turísticos mais procurados do Estado da Bahia. Em seu entorno, há comunidades rurais, grandes e médios proprietários de terra e diversas RPPNs – Reservas Particulares do Patrimônio Natural. O Parque ainda não foi aberto à visitação. Informações pelo telefone 3288-1644.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…