Pular para o conteúdo principal

40 horas para virar jornalista

Anúncio de um site de cursos on line promete ao internauta que ele vire um jornalista em 40 horas.

No conteúdo, nada de ética, compromisso com leitores ou com as causas sociais que o comunicador poderia nortear seu trabalho. Apenas coisas do gênero "ganhando dinheiro no ramo de Jornalismo On-Line" e "ferramentas úteis da tecnologia".

Apesar do decreto-lei que derruba a obrigatoriedade do diploma de jornalista já ter mais de seis meses, até hoje me perguntam o que eu, como jornalista, acho disso para a profissão. A última foi semana passada, no Aeroporto de Salvador. O que eu respondo?

Acho ruim quando consideram qualquer pessoa que faz um curso on line de 40 horas, ou que escreve um blog, apta a ser um jornalista profissional. Assim como também não considero jornalista aquele que está no primeiro ou no segundo ano da faculdade e já se acha melhor do que muitos professores. Jornalismo não se aprende de um dia pra noite, não basta apenas pensar que "escrevo bem e pronto", é um exercício diário de reflexão e cuidado.

Demora ser um bom jornalista, assim como demora ser um bom médico ou professor. Não é (só) o diploma que vai fazê-lo melhor, mas a vivência, o dia-a-dia. Mas também não acredito que vivência é suficiente, se o objetivo da mídia em questão, seja blog ou seja jornal, for ganhar dinheiro com anúncios.

Relembrando o relator Gilmar Mendes (relembre a notícia sobre o decreto-lei clicando aqui), não basta ter diploma para evitar notícias mentirosas... é por isso que, na contramão de muitos colegas, não estou preocupada com essa coisa de diploma. Acredito no poder de comunicação das pessoas - por isso tornei-me educomunicadora - e espero sempre ir na contramão do mercado - não pensando que supostamente o jornalismo pode dar dinheiro, como promete o site, mas lembrando que ele pode, e deve, ajudar a sociedade a mudar um pouquinho.




Comentários

O texto está incrível! Penso dessa forma também. Tenho um blog, mas nenhuma pretenção de ser jornalista. Acredito apenas que posso informar pessoas, fazendo algo que gosto, tratando de assuntos que muito me interessam. Acredito também que nem sempre cinco anos são suficientes para tornar bom, alguém sem talento e boas intenções, mas concordo plenamente, que nada acontece de um dia para o outro e a vivência de cada um não determina apenas o tipo de profissional que essa pessoa será, mas sim o grau de evolução que ela vai alcançar. Gostei muito da postagem, mesmo. Parabéns.

Mariana M. Thomé
www.evolucaosustentavel.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…