Pular para o conteúdo principal

Pesquisa mostra desinteresse dos jovens por meio ambiente

Não costumo confiar demais em pesquisas, mas o site Envolverde publicou uma que me deixou preocupada... será que os jovens estão indo tão devagar? Cadê a força de mobilização da galera? Será que ainda não entenderam que meio ambiente é inter-relacionado com tudo em nossas vidas? Ou nós, educadores ambientais, não estamos conseguindo trabalhar essa conexão? E nós, comunicadores?

"Apenas 17% dos jovens brasileiros identificam-se como comprometidos com a sustentabilidade do planeta. Isso quer dizer que eles se acham conscientes, ajudam a conscientizar, tomam alguma atitude e valorizam as causas ambientais. O dado é do Dossiê Universo Jovem 4. Produzido pela MTV Brasil desde 1999, a pesquisa busca conhecer os valores, as atitudes e o comportamento do jovem brasileiro. A edição deste ano teve como tema principal a sustentabilidade.

Como a geração vai usufruir por mais tempo dos recursos naturais, como percebe o próprio planeta e até onde vai seu interesse pelo assunto foram algumas das questões abordadas pela pesquisa e que resultaram em um documentário com o mesmo nome da pesquisa Para chegar aos resultados, o estudo escutou, entre abril e maio de 2008, quase 3 mil jovens de 12 a 30 anos das classes A, B e C de nove cidades (Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Porto Alegre, Salvador, São Paulo, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro e Recife). O universo pesquisado representa 8 milhões de jovens nas nove cidades pesquisadas, 49 milhões de jovens no Brasil e 92% do Índice de Potencial de Consumo, considerando as classes pesquisadas.

SUSTENTABILIDADE - Além dos 17% comprometidos, a pesquisa identificou outros quatro perfis em relação ao engajamento no tema sustenbilidade. Os eco-alienados (16%) são aqueles com menos conhecimento ecológico, os intuitivos (21%) gostariam de ter mais informações, os refratários (20%) não se importam com o tema, e, por fim, os teóricos (26%) têm consciência da relevância do tema, mas não tomam nenhuma atitude. Quando pensam no futuro, dois assuntos relacionados ao meio ambiente se destacam: o aquecimento global (34%) e a falta de água (24%).

Com relação à sustentabilidade, o jovem brasileiro está mais atento à questão da poluição do ar (28%), utilizando como principais fontes de informação sobre o meio ambiente a televisão (71%), jornal (33%), Internet (29%) e escolas e faculdades (28%). Contudo, os jovens acreditam que a mídia poderia ter um maior papel mobilizador, trazendo mais conteúdo sobre o meio ambiente (53%) e incentivando o jovem na preservação (73%).

O professor e filósofo da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Mário Sérgio Cortella, presente na apresentação do vídeo, comentou os resultados da discussão e ressaltou a importância que o assunto tem atualmente. "O vídeo não é para dar lição de moral e sim para chamar atenção para a questão, mas sem ser apocalíptico", ressaltou Cortella. "É um convite a transbordar, ir além da conformidade", completou o filósofo.

OUTROS RESULTADOS - De acordo com a pesquisa, 77% dos jovens são solteiros e 97% moram com os pais. 73% afirmam ter boa relação com a família, e apesar da maioria morar com os pais, 24% chefiam a renda familiar e 25% já têm filhos. 70% dos jovens têm algum tipo de renda mensal: 14% deles recebem mesada e 56% têm renda do trabalho. A cada 10 jovens, 3 buscam o sucesso financeiro a qualquer custo. 61% dos entrevistados acima de 15 anos já experimentaram algum tipo de droga, sendo as mais comuns: álcool, cigarro e maconha.

Quando questionados sobre os temas que causam maior preocupação, sete grandes assuntos assustam os jovens brasileiros. São eles: violência (43%); desemprego (39%); drogas (32%); fome (26%); aquecimento global (24%); desigualdade social (23%) e poluição (20%). Os jovens também apontam como os principais problemas enfrentados pelo Brasil: corrupção (37%); violência (32%); desemprego (24%); desigualdade social (24%); fome (23%) e drogas (21%). Apesar da consolidação da Internet, que teve um salto no índice de acesso pelos jovens de 66% para 86% entre 2005 e 2008, a TV aberta e o rádio continuam sendo os meios de comunicação com maior penetração, somando 98%.

Na TV, os jovens costumam assistir, principalmente, filmes (79%); jornalismo (64%); novelas, (59%); clips e programas musicais (46%); programas humorísticos (45%); esportes e seriados (45%).

Comentários

glauber barros disse…
Olá Debora


Fazia tempo que não visitava aqui! Gostei muito da reportagem, vivencio essa realidade aqui no interior da Bahia, não somente os jovens mais os adultos tb não se interessam pela luta ecológica!

Abraços
Conexão disse…
Olá Débora! Também ficamos meio surpresos com esses dados, tanto que hoje vamos adiscutir o tema em nosso programa de rádio aqui em Goiânia. Chamamos a galera do Coletivo Jovem de Meio Ambiente de Goiânia e de Anápolis pra aprofundar. Ao mesmo tempo esses números não me assusta. Tanto desinteresase por muita coisa, inclusive pela própria vida. Creio que esse número pode ser real na medida em que observa-se o número de participantes em algumas mobilizações, ações, etc. Mas é com esse número que estamos dia-a-dia na batalha, e plantando sementes. Beijão a todos e todas.

Conexão Ambiental
Rádio Difusora-Goiânia-GO

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…