Pular para o conteúdo principal

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o professor Caio Aguirre, que mandou suas sugestões para o blog Educom Verde, que dá as dicas a seguir:

- O primeiro passo a ser utilizado na verdade é saber qual o nível de ensino (série / idade) que será envolvido. “Isso faz diferença, principalmente quando você envolve nível de concentração de seus alunos no processo de assistir a um vídeo”, lembra Caio. Ele explica que, nas séries iniciais, o nível de concentração atinge a média máxima de 30 minutos – se o vídeo tiver 80 minutos, por exemplo, o professor pode passar o filme em “capítulos”.

- No intervalo, de um dia para o outro, ou no final da atividade, a garotada pode discutir e escrever sobre as ações dos personagens, questionar o tempo, o local onde o filme se passa, entre outros.

Para trabalhar temas ligado a educação ambiental e alguns outros, Caio sugere os seguintes desenhos e eixos temáticos, lembrando: “o importante é planejar o tema que você pretende explorar, organizando um roteiro de perguntas para os alunos, debater os personagens e a história e elaborar um painel sobre os temas trabalhados”:

REI LEÃO - Cadeia alimentar, ciclo da vida, savana africana, respeito à natureza.

MADAGASCAR - Cadeia alimentar, meio ambiente, animais em extinção, herbívoros e carnívoros, o morar na cidade.

TARZAN - Animais em extinção, herbívoros, carnívoros, caça predatória, comportamento animal.

MULAN - Respeito a família, comportamento familiar, costumes, invasão dos mongóis à China.

Aproveito para acrescentar mais alguns à lista:

PROCURANDO NEMO – Nenhum desenho captou com tanta perfeição o ambiente marinho. Além de abordar a influência do homem sobre a natureza, dá para falar em correntes marinhas, cadeia alimentar e muitos outros temas ligados às questões ambientais.

BEE MOVIE – Filme convidativo ao debate específico sobre as influências do homem no ambiente natural, e à conexão entre as espécies. Muito bom para provocar reflexões sobre cadeias de produção, até chegar ao consumo consciente.

PATETA NO TRÂNSITO – Achei essa pérola, dia desses, no You Tube. É ótimo para discutir as problemáticas urbanas e, é claro, pensar sobre o comportamento das pessoas no trânsito: quem é mais velho vai se lembrar do personagem de Walt Disney, o Pateta, que é um “doce de criatura” quando está a pé, mas vira um bicho ensandecido quando está de carro.

ERA DO GELO – Quer conversar com crianças sobre mudanças climáticas? Que tal começar por essa divertida série, onde animais pré-históricos (20 mil anos atrás), tentavam fugir das mudanças de temperatura que iriam atingir o norte do planeta. Bom gancho para pensar as mudanças climáticas de um jeito diferente – lembrando às crianças que a Terra tem ciclos, falar de como os seres se adaptam, entre outros temas.

RATATOUILLE – A história do ratinho-cozinheiro é uma graça. Se tem a ver com meio ambiente? Tem a ver com a busca do ser humano em ser humano em valorizar o dom de cada um em fazer coisas boas, como cozinhar... “surpreenda-me”, diz o crítico de gastronomia ao cozinheiro, exigindo o melhor prato do restaurante. E o que chega... é simples, e delicioso. Assim é a vida, e a vontade de trabalhar com educação ambiental, não acham?

Comentários

Josete disse…
Oi Débora!

Amei essa publicação! Você está ficando bem didática, viu? Vou colocar um link na categoria projeto do meu blog. Bjs

Josete
Olá! Acho que o filme Wall-E pode ser acrescentado a lista...
caio aguirre disse…
Obrigado por lembrar de minha observação sobre o uso de filmes. aproveito para deixar o endereço destes blogs blog.clickgratis.com.br/tiocaio e alquimiaeducacional.blogspot.com
este último ainda esta em construção.
obrigado

Postagens mais visitadas deste blog

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…