Pular para o conteúdo principal

Porque me apaixonei pela causa ambiental 6

Maurício é biólogo, educador ambiental e ativista. Participa da ong Amigos das Veredas, em Brasília (DF) e professor da Escola Família Agrícola de Padre Bernardo (G). É membro do Coletivo Educador da Bacia do Descoberto, que ainda está em processo de formação (leia mais sobre coletivos educadores no blog).

Memorial de vida
Vim de uma família do interior de São Paulo, Bauru. Neto de agricultores, meu avô por parte de mãe trabalhava com criação de bicho da seda. E daí surgem minhas primeiras lembranças. Onde meu avô e tio trabalhavam no rancho e eu ficava debaixo das amoreiras brincando com algumas formigas cortadeiras e alguns bichos da seda que apanhava. O tempo ali passava diferente, podia ouvir as mamangavas passando, os pássaros cantando e algumas vacas mugindo bem mais ao longe.

Então meus pais vieram para Brasília tentar vida melhor. Nesta época a cidade dava oportunidade para quem quisesse aqui trabalhar. Moramos em várias cidades satélites do DF. Mas o grande momento para mim era quando chegavam às férias e podia retornar ao sítio dos meus avós. Cachorros, galinhas, pássaros, cavalos se tornavam meus grandes companheiros. Meu avô foi meu grande tutor eu o acompanhava para os lugares onde ele ia. Subíamos nas árvores para esperar os animais passarem, me contava sobre lobisomens e as lendas da região.

A adolescência chegou e passei pelas as transformações - internas e externas que todos jovens passam. Foi difícil mas sobrevivi. Veio a época do vestibular. Cobranças, mercado de trabalho, estudo era o que eu mais ouvia. Havia feito a inscrição para dois cursos nos vestibulares: Ciência da computação e ciências biológicas. No último dia de prova para a computação mesmo sabendo que era um mercado de trabalho bastante promissor não compareci. Dentro de mim sabia que não era o que queria.

Resultado: passei para Ciências Biológicas em Bauru. Fui morar numa república com mais 8 pessoas e nosso cocker preto “Ozzy”. Durante a faculdade pude me aprofundar mais naquilo que gostava. Fiz estágio no zoológico, no horto florestal ambos envolvendo educação ambiental. Um momento mágico quando fui estudar comportamento de lobo-guará numa reserva da região.

Retornei para Brasília, a pressão agora era arrumar um emprego para me manter. Passei no concurso da Secretaria de Educação do DF. No primeiro ano tive de lecionar para 21 turmas de ensino médio as disciplinas de Educação Ambiental e Ensino Religioso. Sobrevivi.

Agora faz oito anos que sou professor, atualmente com EJA noturno (20 hs). Fiz alguns cursos, participei de eventos sobre EA e tenho uma especialização de Engenharia de Controle da Poluição Ambiental pela USP/CREA-DF.

Atuei junto a UnB pelo decanato de extensão oferecendo curso para formação de educadores ambientais e sobre agroecologia no contexto escolar, pois, tive a oportunidade de fazer um curso com Ernest Gosth sobre SAF, para mim uma grande referência na área.

Atualmente sou membro da ONG sócio-ambiental Amigos das Veredas. E membro da AMEFA (Associação Mantedora da Escola Família Agrícola de Padre Bernardo/ GO) na qual também sou professor da escola utilizando como ferramenta a Pedagogia da Alternância; atuo também nos "Coletivos Educadores para Territórios Sustentáveis da Bacia do Descoberto/DF” - faço parte da coordenação local, sendo que ainda não se iniciaram as ações do programa. E ainda atuo no Informativo Aroeira de Brazlândia, que é uma cidade-satélite de Brasília. Esamos na luta fazendo parte do MEB (Movimento em Defesa de Brazlândia).

É com grande alegria estar participando deste coletivo pela vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!