Pular para o conteúdo principal

Saldo do Campus Party: inclusão digital tem que ser social

Sentada em um dos 2.800 computadores do Campus Party, encontrei um personagem que resume o significado do evento para algumas pessoas – para outros, não passou de uma confusa vitrine de tecnologia voltada para o entretenimento.

Coordenador de um telecentro na periferia de Cuiabá (MS), Anderson “Monstrinho”, 23 anos, veio trocar idéias com outros colegas, assistindo oficinas e, principalmente, conhecendo gente de todo o Brasil que estava interessado em ir além da diversão – formando suas próprias redes sociais onde a tecnologia, a internet, é o veículo principal.

Apaixonado por computadores, Anderson é coordenador do Casa Brasil, que trabalha não só a inclusão digital, mas também sócio-cultural. O lugar tem oficinas de informática para ensinar quem nunca mexeu em um computador, mas oferece também rádio web, oficinas de metareciclagem (utilizando lixo digital para produzir jóias, como faz a paulista Naná Hayne e até ensinam percussão com instrumentos saídos do lixo, como latas de tinta (como a que aparece na foto). Para ele, inclusão digital tem que andar junto com a inclusão social.

"Na Casa Brasil trabalhamos numa periferia onde a realidade muito extrema; algumas meninas de 13 anos, por exemplo, têm traficantes e cafetões no ciclo de amizades. Você olha pra essas meninas, por exemplo, e pensa que não tem jeito... mas estamos conseguindo mudar a realidade dessas pessoas”, diz ele. Como se faz isso, ensinando a mexer no computador?

É aí que entra a inclusão social através do mundo digital, de certa forma. Quem passa pelas oficinas do telecentro, lembra “Monstrinho”, não vai lá só para aprender a ligar o computador ou a trabalhar na internet. “Mexer no micro só prepara a pessoa para ser explorada no mercado de trabalho. Nas nossas oficinas tentamos mostrar para as pessoas que a informática pode ser um caminho novo, de liberdade para que participem desse universo que é a internet. Se você trabalhar a conscientização e o direcionamento, a tecnologia não prende, liberta”, defende o cordenador.

Software livre – Através da experiência do Anderson, entendi finalmente porque tanta gente defende a questão do software livre – porque é tão importante defender iniciativas como o Ubuntu, um sistema operacional que, diferente do Windows, é gratuito e desenvolvido por voluntários.

Para Anderson, não precisar pagar para ser usuário de softwares é uma forma de inclusão sócio-digital. Além disso, como seu uso é livre, não é preciso embarcar ilegalidade e instalar um programa pirata no seu computador. Mas para o coordenador do Telecentro, o grande barato é que sistemas como o Ubuntu permitem que qualquer pessoa colabore com sua manutenção. Basta ter interesse e conhecimento. “É por isso que você aprende muito mais usando um sistema desses. Nada impede de você se desenvolver e criar o seu próprio software”, diz ele. O próprio é um “incluído”: auto-didata, fuça nos computadores desde os 15 anos. ”Meu grande professor foi a internet, meu grande diretor foi a curiosidade”, filosofa.

Campus Party – Sobre o grande evento de tecnologia que rolou em São Paulo, Anderson acha que muita gente foi excluída. “O evento foi lindo, com internet de alta velocidade e o que há de mais moderno. Mas o garoto que vem lá da periferia brincar num videogame de ultrageração fica frustado depois por não poder tê-lo em casa, né”, diz o rapaz. “Por isso é tão importante ter telecentros ou inclusão digital através da escola, onde a criança vai saber que tecnologia não é só jogos e computadores ultramodernos. Ele precisa saber que o que importa, na maioria das vezes, é o conhecimento dele na máquina, e não a máquina em si”.

Inclusão digital = inclusão social e, porque não, ambiental... “as grandes empresas fazem você comprar, comprar, comprar coisas novas, mais atualizadas. No telecentro nós remodelamos computadores e o que sobra, transformamos em jóias. E quem participa dessas oficinas percebe que, quanto mais você consome, mais polui. Conseguimos desenvolver a consciência de quem nem sempre é preciso consumir tanto, dando valor aos equipamentos e evitando a cultura do descartável”.

Parabéns, Anderson. Espero que todos os telecentros do Brasil estejem funcionando assim. E que a próxima Campus Party se abra para a verdadeira inclusão dos participantes!

Comentários

nana' hayne disse…
Oi Débora,

Parabéns pela matéria, post!
O que diz o Anderson é a mais pura verdade no meu entender também.

A falta de "CONEXÃO-DIVULGAÇÃO-PERTINÊNCIA DE ASSUNTOS-ETC" fez com que pessoas com objetivos semelhantes, como o meu e o dele não se encontrassem num espaço onde o objetivo maior tinha exatamente este fim.
Ainda bem que trabalhos "garimpados" como o teu, nos deixe possibilidades de poder "linkar" a pessoa e não perdê-la no meio dos bites e bytes, velozes das grandes máquinas, rsrs.
Vou visitar o "Monstrinho", saber mais sobre seu trabalho e tentar unir nossos interesses.

bjs e obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!