Pular para o conteúdo principal

Mudanças Climáticas na mídia: um tema para refletir e trabalhar na escola

Certamente se você presta atenção, percebeu que nos últimos dois anos o tema mudanças climáticas não saiu dos jornais e da TV. Mas você já parou para pensar como a mídia está mostrando esse tema? Essa é a proposta da pesquisa Mudanças Climáticas na Imprensa Brasileira, produzida pela Agência de Notícia dos Direitos da Infância (Andi), uma ong que oferece diversos estudos interessantes apontando como a imprensa aborda assuntos que afetam a vida da criança e do adolescente no Brasil.

A pesquisa traz uma análise de 50 jornais brasileiros, entre julho/2005 a junho/2007. Nesse período, a equipe de pesquisadores avaliou quase mil matérias, entrevistas, artigos e editoriais sobre a abordagem que essas mídias deram ao aquecimento global, efeito estufa, e temas afins. Uma das conclusões mais interessantes: a abordagem do tema Mudanças Climáticas, na maioria das vezes, é alarmista, salientando as conseqüências negativas do aumento das temperaturas na Terra, por exemplo, deixando de lado a oportunidade de debater as causas e as soluções desse fenômeno.

É preciso avançar, alerta o documento, e relacionar o tema Mudanças Climáticas a questões como o desenvolvimento e as políticas públicas que deveriam interferir na busca de soluções para a questão. Catastrofismo vende jornal? É o pensamento comum, mas a imprensa precisa ir além disso e contextualizar melhor a questão. Afinal, educadores e estudantes se alimentam de jornais, revistas e programas na TV para se informar sobre o tema.

Uma forma bacana de trabalhar Mudanças Climáticas na sala de aula é avançar na leitura de jornais, revistas e sites, e propôr aos alunos uma análise em pequena escala, durante um determinado período, do que saiu sobre o tema na imprensa. E posteriormente organizar os alunos, por exemplo, para escreverem um boletim ou um folheto sobre a questão, a fim de orientar a comunidade sobre a importância de se conhecer e discutir sobre as MCs. Além de desenvolver a atenção e as habilidades de leitura e escrita, o tema vai se aproximar da realidade dos estudantes.

O coordenador da pesquisa da Andi, Guilherme Canela, defende que as discussões sobre meio ambiente e cidadania só tem a ganhar quando os estudantes questionam as informações da imprensa e se aprofundam na busca de novos contextos para entender temas como as Mudanças Climáticas, o que elas representam no dia-a-dia e o que pode ser feito para diminuir seus impactos negativos. No entanto, ele alerta: vale a pena o professor entender um pouco mais como trabalhar a chamada “educomunicação”, que nada mais é do que educar através da comunicação.

Uma das formas de trabalhar a educomunicação é estudar sobre a chamada leitura crítica dos meios, e um dos pesquisadores do Núcleo de Educação e Comunicação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) tem um texto sobre o assunto, chamado Recepção Cidadã: uma Proposta Metodológica de Leitura Crítica dos Meios.

Avancem, professores! Leitura crítica não precisa – e nem deve ser feita apenas por professores de português... ensinar aos alunos uma forma minuciosa de ler um jornal vai ensiná-los a saber o que há por trás dos números, fazê-los prestar atenção nos temas abordados... e ir além do livro didático.

Comentários

massao disse…
Débora e amigos(as),
Vcs já pensaram na hipótese de realmente reduzirmos drasticamente a emissão de CO2, a quase zero?
Vcs já pensaram nas consequências?
Reflitam e aproveitem e visitem:
http://www.webcentral.com.br/pirapora/home.html, onde está o resultado da verdadeira causa das mudanças climáticas: esgoto não tratado, poluição aquática.
um abraço a todos.
Rosangela Doin disse…
Debora,
Seu blog está ótimo, vou divulgar entre meus alunos e amigos.
Um abraço
Rosangela Doin

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…