Pular para o conteúdo principal

Do lixo digital à arte - Parte 2

Não é preciso ter olhos de artista para enxergar nos restos de um HD de computador uma beleza própria de formas e cores. Ou um emaranhando de fios e componentes que podem ser transformados e ganharem nova função, como no medalhão ao lado.

A peça é de Naná Hayne, uma artista plástica que enxerga além da sucata tecnológica e vê oportunidades de transformação em suas obras: colares, anéis, quadros e instalações onde ela utiliza tudo o que existe dentro de um computador. Ela organizou uma oficina com lixo digital no Campus Party.

A idéia de usar essas peças começou quando ela arrebentou, sem querer, o cabo de um computador. "Vi aqueles fiozinhos coloridos e fiquei maravilhada", lembra Naná, que se diz adepta do estilo artístico que ela descreve como "vamos olhar em volta para ver o que eu tenho de material para a minha arte - vamos mudar as coisas de lugar".

Ex-professora de educação artística para crianças, Naná quer montar um projeto de geração de renda para comunidades urbanas, ensinando a trabalhar com sucata. Mas seu olhar vai além do utilitário. "Ensinar não é reproduzir modelos. É despertar o sentido das pessoas sobre os objetos, e ajudá-los a criar sua própria arte". Sobre a "moda" de produzir brinquedos de garrafa PET que prolifera em algumas escolas, ela opina: transformar garrafas PET em flores, por exemplo, é interessante, mas não dá para ficar só nisso.

"É preciso refletir com os alunos o que há por trás do lixo, porque ele perdeu a função", diz. E vai além: em uma peça que um aluno produz, várias outras áreas do conhecimento devem dialogar. "Acho que as escolas também fazem muitas coisas com PET. Poderiam usar a sucata digital dos computadores, por exemplo".

Quem quiser falar com Naná para oficinas e venda das peças pode entrar em contato pelo e-mail nanahaynearte@gmail.com.

Comentários

Anônimo disse…
adorei sua materia mas todos nos sabemos que mesmo reaproveitando o lixo sempre sobra algo que devemos dar o devido destino por este motivo resolvi postar este comentario a seguir.......Tem uma empresa no Rio Grande do Sul na cidade de são leopoldo ( regiao metropolitana de porto alegre) que recicla todo o tipo de sucata digital o mome da empresa é SARCO e o e-mail é sarco-reciclagemdigital@hotmail.com e o site pelo que vi esta em construção ainda mas eles atendem toda a região do rs.. eles compram :
Centrais telefônicas,
Celulares,
Placas automotivas e aparelhos eletrônicos em geral
Lâmpadas fluorescentes variadas,
Pilhas e baterias em geral
Computadores:
Cpu´s:
CIs
Monitores:
Impressoras:
Placa mãe (Motherbooad)
Placas leves.
Placas pesadas
Processadores:
Hd´s: (hardisk)
Fios
Cd´s
Driver´s
Teclados
Hub´s
Conectores
Relês
Transformadores:
Ventoinhas (cooler)
Fios
Cabos
Tv´s
eletrônicos industriais,
Aparelhos médicos eletrônicos
Noobrek´s

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!