Pular para o conteúdo principal

Do lixo digital à arte - Parte 2

Não é preciso ter olhos de artista para enxergar nos restos de um HD de computador uma beleza própria de formas e cores. Ou um emaranhando de fios e componentes que podem ser transformados e ganharem nova função, como no medalhão ao lado.

A peça é de Naná Hayne, uma artista plástica que enxerga além da sucata tecnológica e vê oportunidades de transformação em suas obras: colares, anéis, quadros e instalações onde ela utiliza tudo o que existe dentro de um computador. Ela organizou uma oficina com lixo digital no Campus Party.

A idéia de usar essas peças começou quando ela arrebentou, sem querer, o cabo de um computador. "Vi aqueles fiozinhos coloridos e fiquei maravilhada", lembra Naná, que se diz adepta do estilo artístico que ela descreve como "vamos olhar em volta para ver o que eu tenho de material para a minha arte - vamos mudar as coisas de lugar".

Ex-professora de educação artística para crianças, Naná quer montar um projeto de geração de renda para comunidades urbanas, ensinando a trabalhar com sucata. Mas seu olhar vai além do utilitário. "Ensinar não é reproduzir modelos. É despertar o sentido das pessoas sobre os objetos, e ajudá-los a criar sua própria arte". Sobre a "moda" de produzir brinquedos de garrafa PET que prolifera em algumas escolas, ela opina: transformar garrafas PET em flores, por exemplo, é interessante, mas não dá para ficar só nisso.

"É preciso refletir com os alunos o que há por trás do lixo, porque ele perdeu a função", diz. E vai além: em uma peça que um aluno produz, várias outras áreas do conhecimento devem dialogar. "Acho que as escolas também fazem muitas coisas com PET. Poderiam usar a sucata digital dos computadores, por exemplo".

Quem quiser falar com Naná para oficinas e venda das peças pode entrar em contato pelo e-mail nanahaynearte@gmail.com.

Comentários

Anônimo disse…
adorei sua materia mas todos nos sabemos que mesmo reaproveitando o lixo sempre sobra algo que devemos dar o devido destino por este motivo resolvi postar este comentario a seguir.......Tem uma empresa no Rio Grande do Sul na cidade de são leopoldo ( regiao metropolitana de porto alegre) que recicla todo o tipo de sucata digital o mome da empresa é SARCO e o e-mail é sarco-reciclagemdigital@hotmail.com e o site pelo que vi esta em construção ainda mas eles atendem toda a região do rs.. eles compram :
Centrais telefônicas,
Celulares,
Placas automotivas e aparelhos eletrônicos em geral
Lâmpadas fluorescentes variadas,
Pilhas e baterias em geral
Computadores:
Cpu´s:
CIs
Monitores:
Impressoras:
Placa mãe (Motherbooad)
Placas leves.
Placas pesadas
Processadores:
Hd´s: (hardisk)
Fios
Cd´s
Driver´s
Teclados
Hub´s
Conectores
Relês
Transformadores:
Ventoinhas (cooler)
Fios
Cabos
Tv´s
eletrônicos industriais,
Aparelhos médicos eletrônicos
Noobrek´s

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!

Parábola da escola animal

Texto inteligente do filósofo Osho, publicado no blog Palavras de Osho. É para se pensar...

"Um amigo me enviou esta linda história. Eu gostaria que você a conhecesse; ela pode ajudar. A história se intitula "A Escola Animal".

Um dia os animais se reuniram na floresta e decidiram criar uma escola.Havia um coelho, um pássaro, um esquilo, um peixe e uma enguia, e eles formaram uma Diretoria.

O coelho insistiu na inclusão da corrida no currículo. O pássaro insistiu na inclusão do voo no currículo. O peixe insistiu na inclusão da natação no currículo. E o esquilo disse que a subida perpendicular em árvores era absolutamente necessária ao currículo.

Eles juntaram todas essas coisas e escreveram um roteiro do currículo. Então insistiram em que todos os animais aprendessem todas as matérias.

O coelho, embora tirasse um "A" em corrida, teve uma enorme dificuldade em subida perpendicular em árvores. Ele sempre caía de costas. Logo ele teve um tipo de dano cerebral e não …