Pular para o conteúdo principal

Crianças participam de cobertura de evento de tecnologia: isso é educomunicação

Num dos maiores eventos de tecnologia que está acontecendo em São Paulo, o Campus Party, muita gente discute termos como "software livre", "moodle" e outras coisas que provavelmente você não faz a menor idéia do que sejam. Mas uma garotada chama a atenção, por não estarem ligados nas centenas de computadores conectados a internet de alta velocidade...

São cerca de 100 alunos de escolas públicas de São Paulo, com idade entre 10 e 14 anos, que participam do programa Nas Ondas do Rádio, um projeto da Prefeitura Municipal de São Paulo onde as crianças aprendem a utilizar o rádio (ou seja, um meio de comunicação) para dinamizar o que eles aprendem na sala de aula. Vieram para exercer uma das tarefas mais difíceis de um jornalista: fazer a cobertura do evento tão grande como esse, com milhares de coisas acontecendo ao mesmo tempo.

Difícil, mas uma delícia na opinião da garotada. Mesmo com imprevistos, como um gravador emperrado na hora de uma entrevista com um repórter da TV Cultura. "Adorei ver os robôs, e entrevistei um grupo de pessoas que ganharam um campeonato de robótica", diz Letícia Alves Costa, 10 anos, aluna do quinto ano da EMEF José Lins do Rego, em São Mateus (Zona Leste de São Paulo). Como a feira é repleta de games e computadores modernos, as crianças aproveitaram também para se aproximar desse universo tecnológico - que nem sempre eles têm acesso. Parte dessa galerinha aparece aí na foto, junto com a diretora da escola.

Porque é bacana pra eles cobrir um evento, do ponto de vista educacional? Só sair dos limites da escola e viver a vida lá fora já é um grande motivo... mas vamos listar outros: "eles estão aprendendo a se relacionar, conhecendo gente de todos os tipos e perdendo a vergonha", diz a diretora Zeni de Fátima Assis, que continua: "é uma prática que contribui para reduzir a violência e a indisciplina. Esses alunos que participam dos programas de rádio na escola viram referência para os outros amiguinhos". Desenvolver habilidades de leitura e escrita é uma prática que acaba permeando todo o processo, assim como desenvolver o raciocínio rápido e o jogo-de-cintura para encontrar soluções - para imprevistos, entrevistados que não conhecemos, entre tantas outras ações do jornalismo que esses alunos também vivenciam.

Além disso, fazer a cobertura não deixa de ser uma inclusão... imagine um grupo de crianças ter a oportunidade de fazer perguntas para um VJ da MTV a especialistas em tecnologia que às vezes nem os jornalistas têm acesso. Quem quiser saber mais o que esses jovens estão aprontando no campus party pode acompanhar a cobertura mirim no Blogando Nas Ondas do Rádio. E quem quiser conhecê-los, pode visitá-los no estande da Prefeitura de São Paulo, logo na entrada da Bienal.

E o que isso tem a ver com meio ambiente? Usando as palavras de Malu Barciotte, especialista no assunto e autora do blog Viva Bem no Mundo que Você Tem: para melhorar esse mundo, é preciso dar a chance de fazer escolhas - piores, ou melhores. E essa garotada, tendo acesso ao que não teriam normalmente, estão tendo boas chances... o direito a informação, não só na escola, mas fora dela, aprendendo de um jeito diferente: é assim que a educação ambiental vai deixar de ser uma linda teoria e virar uma prática, de verdade.

Leia mais sobre o Campus Party nos blogs Planeta Sustentável, Ecodesenvolvimento e Rastro de Carbono.

O evento termina dia 16 de fevereiro (domingo) e ainda tem programação gratuita com videos, exposições e estandes de tecnologia. Quem não se inscreveu, infelizmente, não tem acesso a oficinas e conferências. Leia mais sobre a programação no site oficial do Campus Party

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…