Pular para o conteúdo principal

Mudanças climáticas: a chance de fazer uma leitura crítica da imprensa


A leitura crítica da mídia é uma técnica que pode auxiliar os educadores nas questões globais, especialmente no que se refere ao tema meio ambiente. Não dá para ignorar que os meios de comunicação interferem diretamente na nossa visão de mundo, pois basicamente é através deles que descobrimos o que está acontecendo, mas é difícil não se confundir com os fatos como nos são apresentados.

Por isso, você que é professor, tem que ler muuuuito sobre a questão climática até encontrar reportagens que proporcionam uma visão diferenciada sobre o tema. Como a
  • Reportagem Exclusiva
  • do site Rits – Revista do Terceiro Setor.
    Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Dados alarmantes a parte – é certo que o planeta está mudando, com temperaturas subindo e perspectivas negativas que vão interferir na vida de todo mundo – na reportagem o professor de física Paulo Artaxo comenta: “não faz nenhum sentido levar pânico à população, em vez de fazer um trabalho educativo, indicando que é necessáriop mudar hábitos de consumo, etc. A mensagem passada era a de que é o fim do mundo, e isso não é verdade”.

    Paulo Artaxo comentava sobre as primeiras reportagens que saíram este ano sobre mudanças climáticas – cuja função, de chocar e despertar para a ação, segundo ele, tiveram efeito contrário. Também concordo: se a Amazônia vai acabar daqui 100 anos, os rios vão secar e 30% de espécies de animais vão desaparecer do planeta, para que tomar atitudes pessoais diante desse quadro catastrófico?

    Outra coisa que pouco se fala na imprensa, e que é abordado nessa reportagem (e que já previa o “profeta” Eduardo Galeano): as regiões mais vulneráveis a essas mudanças climáticas são também as de menor condição sócio-econômica. Todos tendem a pensar primeiramente na Amazônia, mas é em nossa região do semi-árido que pesam, sobre os seus 25 milhões de habitantes, as conseqüências de uma seca sem precedentes em uma história já tão sofrida.

    E você, professor? O que está fazendo para debater o assunto com seus alunos e colegas? Como está buscando conhecimento sobre mudanças climáticas, e associando esse tema à realidade local? Essa reportagem pode ser um ponto de partida. E além do conteúdo sobre meio ambiente propriamente dito, você ainda pode refletir com seus alunos até que ponto a imprensa informa ou desinforma, educa ou deseduca, questiona ou concorda com as decisões políticas que vão interferir, daqui por diante, nessa questão.

    Comentários

    Postagens mais visitadas deste blog

    Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

    Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

    Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

    Como o…

    Para falar de meio ambiente com as crianças

    Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

    Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
    "Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

    Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

    No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

    A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…