Pular para o conteúdo principal

Reflexão sobre mudanças climáticas: como abordar na escola?

Uma das tarefas mais árduas da educação ambiental é ajudar as pessoas a entender a relação entre os problemas ambientais e sua realidade pessoal/local – e é essa aproximação, que depende do conhecimento (e de como ele é comunicado/transmitido) o grande desafio. Mudanças climáticas é o tema mais falado na mídia atualmente: o documentário Uma Verdade Inconveniente, que trata do assunto, há pouco ganhou o Oscar, e o clima já ganhou a capa da revista Veja, matéria no Fantástico... mas será que quem assiste a esses programas ou lê artigos de revistas entende o que realmente está acontecendo? E os educadores, ambientais ou não, o que estão fazendo para comunicar o tema – e assim, ajudar na formação de consciência crítica a respeito?

Não há respostas definitivas, pois o assunto é relativamente novo. Mas o educador ambiental Fábio Deboni, consultor-técnico da Coordenação Geral de EA e atuante no Programa Juventude e Meio Ambiente (MMA-MEC), escreveu um belo artigo a respeito no site
www.trilhamundos.com.br (que você pode acessar pelo título desse post). O primeiro passo, escreve ele, é pesquisar, e muito, sobre o tema. “Não basta apenas repetirmos o que ouvimos falar sobre o assunto ou o que vimos num programa de TV”, comenta. E como selecionar informações corretas e imparciais nessa avalanche que vivemos hoje? De novo: muita pesquisa e iniciativa em ir atrás das fontes – não só ler jornais, revistas e sites de internet, mas contactar pesquisadores e especialistas sobre o tema.

Ter acesso direto à informação, muitas vezes, é difícil até para um jornalista. Existe toda uma burocracia e muitos pesquisadores não estão disponíveis para nós, quanto mais para o público em geral. Está aí um dos desafios para a educação ambiental enquanto política pública: aproximar o conhecimento do público comum. E isso pode ser feito de forma positiva através da escola. Fábio comenta sobre o que a EA pode colaborar, mas é preciso fazer algumas perguntas: o tema mudanças climáticas está na pauta de projetos e materiais de comunicação? Há massa crítica na EA brasileira para abordar o tema?

Comentários

Débora, pois é, o assunto tá mais do em pauta e fico me perguntando se a forma como ele é abordado está sendo de fato enriquecedora. Mas achei luzes no fim do túnel. Vou publicar em breve uma matéria no portal da Microsoft sobre aquecimento global e tecnologia, e acho que os depoimentos que colhi de um professor de Geografia foram bem bacanas e inovadores. Qdo estiver no ar te passo o link e vc divulga! Beijão! Ótima reflexão!
Oi Débora,

Publiquei hoje alguns arquivos em áudio sobre o tema Meio Ambiente lá no Palavra Aberta http://palavraaberta.blogspot.com

Dá uma passadinha lá pra conferir e comentar!

Bjus
Gládis

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!