Pular para o conteúdo principal

Educomunicação em Caraguatatuba: confira a carta-compromisso

Terminou, na semana passada, o projeto de educomunicação do Instituto Supereco em Caraguatatuba. Terminou?

Se depender da turma de educomunicadores que se reúnem no blog Educom Caraguá, não. Leiam a carta-compromisso que escreveram e entregaram a comunicadores e jornalistas do litoral norte, durante o evento de encerramento:

Carta-compromisso

Fim de uma etapa!

Nesses últimos meses, fizemos parte de algo inédito em nossas vidas. Foram momentos que ficarão gravados em nossas memórias para sempre. Muitas sementes foram plantadas, muitos frutos foram colhidos. Fizemos coisas que sequer sonhávamos ser capazes. Voamos alto... como os bem-te-vis.

Levamos a sério nossa participação em todos os eventos, reuniões e ações.

Tivemos contato direto com um meio de comunicação maravilhoso, que para muitos andava esquecido, que é o rádio, e gravamos programas dos mais variados, sempre colocando nossa responsabilidade e, acima de tudo, nossos corações em cada um deles. Obrigado por nos darem esta oportunidade tão valiosa.

Obrigado a todos da equipe de educomunicação, pela dedicação que tiveram, e à equipe do Instituto Supereco e seus patrocinadores e apoiadores, pois sem eles nada disso teria sido possível.

Agradeço também à vida, que nos colocou juntos, num mesmo projeto, nos tornando fortes amigos.

Espero que novas etapas se iniciem para muitos de nós, com estes recursos que aprendemos a usar e que elevam o dom de nos comunicar. Por meio das ferramentas de comunicação, demos a nossa contribuição para melhorar nosso meio ambiente – tão carente de cuidados.

De agora em diante, eis nosso compromisso.

Nosso compromisso é de, cada um como célula de um único organismo, que é nossa cidade, ficarmos vigilantes. Cada indivíduo em seu bairro, na observação dos acontecimentos que envolvam as questões socioambientais, e nesse compromisso devemos nos juntar, nos organizar e discutirmos qual o melhor caminho a seguir, mesmo que a questão em pauta não seja no bairro onde vivemos.

Com isso, fazemos valer nosso direito de livre comunicação e, que destes atos, resoluções possam ter êxito e contribuímos, assim, para que nosso meio ambiente tenha aliados de coração, pelo mesmo ideal.

Da mídia e dos comunicadores locais também queremos um compromisso. Gostaríamos que os integrantes da mídia local também se comprometa em nos dar espaço em seus veículos, onde chegaremos organizados e respeitosos.

Queremos que as empresas de comunicação dêem mais espaço às questões socioambientais locais, para estimular a população a participar de ações, se mobilizar, e se conscientizar. E que esse espaço aberto seja também educativo, como uma coluna de dicas de consumo consciente em um jornal, ou um momento ecológico na programação de uma rádio, entre tantos exemplos que podemos sugerir.

Que os veículos mostrem não apenas denúncias, mas projetos, pessoas e ações positivas que estão fazendo a diferença em nosso litoral. E que os comunicadores valorizem as fontes de informação que temos disponíveis em nossa região, como os educadores, os pesquisadores e técnicos que pesquisam e trabalham a favor das questões socioambientais.

Propomos também que os veículos locais e os comunicadores façam parcerias para criar, nas escolas, projetos de rádio, jornal e outras mídias com a participação dos alunos e professores. Assim, nossas crianças e adolescentes tenham voz dentro de suas comunidades, e possam crescer como cidadãos.

A comunicação é um direito humano, universal e fundamental. Ter acesso a infinidade de informações sobre o que devemos e podemos fazer para diminuir nossos impactos, ao rico universo que envolve os temas ambientais em nossa região, e qual o papel de cada órgão público e de cada componente da sociedade civil, é também nosso direito a comunicação.

Que desde agora, todos nós que estamos aqui, nesse encontro, tenhamos a seriedade de cumprirmos todos esses compromissos. Não deixaremos que todo esse nosso trabalho de educomunicação tenha fim, para que nossos esforços não sejam extintos como as várias espécies na natureza que dependem de nosso amor e boa vontade para que continuem sua jornada.

Continuemos, também, a nossa jornada!

Equipe de Educomunicação - Arão Amaral, Celeste Cotrin, Cristiane Demarchi, Eliete Maria, Ivana Pagnota, Lúcia Helena e alunos da EE Avelino Ferreira, Marcos Demarchi, Marília dos Santos Barreiro, Mirellen da Silva Souza e equipe de educomunicação - Carlinhos Paes, Carmen Gatás, Izabel Leão, Débora Menezes, Virgínia Alves e Fernanda Borba

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Quadrinhos, um jeito divertido de ensinar meio ambiente

A tirinha acima faz parte do projeto Edu HQ, mantido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e mantém um acervo com centenas de quadrinhos e pequenas animações, muitas delas feitas por crianças. No item meio ambiente há 173 tirinhas como essa.

Trabalhar com quadrinhos na sala de aula e no dia-a-dia é uma viagem... pois a partir da brincadeira é possível levantar vários pontos: refletir sobre o recurso de linguagem, o humor, a ironia, pesquisar o que o autor quis dizer, o que há por trás da história.

Já para quem é "gente grande", quadrinhos são sempre um respiro no dia-a-dia... e também ajudam a pensar!