Pular para o conteúdo principal

Porque me apaixonei pela causa ambiental 2

Maria José Alves Silva é de Vitória do Xingu (PA). Pedagoga formada pela Universidade Federal do Pará, é educadora ambiental em sua região.

Participe! Envie a sua história pessoal, contando “como me envolvi de corpo, mente e alma pela causa socioambiental” para o e-mail educomverde@yahoo.com.br, com nome completo, mini-currículo, blogs e sites (se houverem), telefone e cidade. Se quiser, mande também uma foto sua, e idade. Publicarei todos que chegarem e, na Semana do Meio Ambiente, sortearei um kit de sacola de compras ecológica, de tecido, e sabonetes feitos de elementos vegetais.

Como me envolvi de corpo, mente e alma pela causa socioambiental

Saímos do Rio de Janeiro, em 1972 e vim morar no Pará para a colonização da Rodovia Transamazônica. Chegando aqui, fiquei encantada com tanta água e floresta e principalmente o rio Xingu, pois já o conhecia através do meu professor na 4ª série que falava da beleza deste rio, e chegando aqui fiquei a olhar e me emocionei, o motivo eu não sabia, mas hoje sou uma das defensoras contra a barragem que querem fazer.

Então passei a ser professora do projeto de colonização, e embaixo de um tapirí (barraco aberto coberto de palha), onde dava aula, ficava observando a floresta ser derrubada pelos colonos e falava com meu pai o perigo que seria no futuro, ele na sua ingenuidade me explicava quanto mais derrubava mais a água aumentava. Resultado: os igarapés da Transamazônica secaram e ficou difícil sem água.

E em 1988, viemos morar em Vitória do Xingu, e fiquei entre dois rios, o Tucuruí e o Xingu. E novamente em sala de aula resolvi que as minhas aulas seriam voltadas também para o meio ambiente. Sofri muitas críticas dos meus companheiros ao mostrar aos meus alunos a importância das formigas para a natureza, mas não desisti, continuei o trabalho com os alunos.

Passei a levar para a sala de aula pescadores, pessoas idosas da comunidade para que pudesse falar sobre a sua vida e a experiência de vida e descrever o rio e as vegetações nativas, passei a programar as minhas com passeio ecológico e envolver os alunos e a comunidade e assim nesses passeios observava os rios e igarapés e os alunos faziam pesquisas, músicas e danças e no final de semana fazíamos as apresentações na praça. E nesses passeios o igarapé do Gelo ganhou atenção especial pelos alunos e professores.

E hoje os que foram meus alunos, são professores e parceiros das atividades e trabalham envolvendo seus alunos com atividades ambientais.

Sempre participo dos trabalhos escolares fazemos passeios e a luz ambiental começou a iluminar. Hoje estou em uma ONG, mas continuo em sala de aula fazendo trabalhos com os alunos e levando para praça música, teatro, poesia e capoeira.

Temos um projeto TARTARUGAS VIVAS, trabalhamos a preservação das tartarugas da Amazônia, participam alunos, professores, pescadores e pessoas da comunidade desde a desova até as tiragem dos filhotes e a devolução para o rio Xingu, e a praça continua sendo o nosso palco para mostrar fotografias e dvds produzidos com as atividades dos alunos, e aí a música e a poesia está sempre presente é uma festa ambiental.




E consegui através de minha persistência contagiar e levar muitas pessoas para cuidar do meio em que vivemos, todos os anos dia 5 de Junho a praça novamente recebe os alunos em caminhada para mostrar que precisamos cuidar do planeta em que vivemos.

Comentários

Divã do Masini disse…
Conheci seu blog através de pesquisa no Google. Essa semana resolvi, entre os posts corriqueiros, inserir informações em comemoração à Semana do Meio Ambiente. E no post desta quarta (4), listei 10 blogs que tratam da questão ambiental. Inclui seu link. Veja: http://www.nossanoite.com.br/divadomasini/exibemateria.asp?codigo=645

abraços

PS. Desculpa entrar em contato via comentários, mas não consegui localizar seu e-mail no blog.

Marcos Masini
Elianinha******* disse…
Ai que saudade da Zezé!!!
Não tenho como não me emocionar mais uma vez com o relato dessa guerreira que com sua simplicidade é uma das pessoas mais sábias que conheço.
Fiquei muito feliz em encontrar esse relato aqui!!
Eliane Camilo
CESCAR - Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região.
Rosi Cheque disse…
Gente! Que maravilha este blog!!! Parabéns e a partir de hoje há uma leitura constante: eu.
Grande abraço - Rosi Cheque (jornalista e poeta - SP)

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…