Pular para o conteúdo principal

Mudanças climáticas na academia

Na semana passada, um evento sobre mudanças climáticas discutiu o assunto reunindo cientistas brasileiros. Poderia ter passado despercebido, pois a mídia não divulgou muito, mas o www.mudancasglobais.com.br trouxe uma percepção um pouco diferenciada sobre esse tema tão falado, e tão confuso (para mim e para muitos amigos, educadores ou não). As coisas boas que aprendi acompanhando as discussões:

- Vários fatores naturais influenciam o clima, mas está claro que a emissão de CO2 é um dos principais na contribuição ao aquecimento global. Mas os cientistas discutiam justamente o “passar por cima” do catastrofismo, para buscar oportunidades e soluções para diminuir os impactos.

- Do artigo de Jean Pierre Ometto e Carlos A. Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe: “as pesquisas científicas devem ajudar a sobrepôr o impasse do desenvolvimento econômico em relação às questões ambientais, e assim contribuir ao embasamento das ações de adaptação e mitigação”. Duas palavras interessantes: mitigar é o que vocês faz para diminuir os impactos, no caso, da emissão de CO2; já a adaptação é o que você faz ao ser atingido pelos impactos.
- Da cientista política Maria Carmen Lemos, professora da Escola de Recursos Naturais e Meio Ambiente da Universidade do Michigan, refletindo sobre mitigação e adaptação: “são termos que se fundem. Diminuir o consumo de água, por exemplo, é ao mesmo tempo diminuir os impactos do consumo e adaptação a uma situação futura de falta de água”.


Discutir esses termos dá uma boa aula...

- Ainda de Maria Lemos: “um fator que contribui para que um país diminua seus impactos ambientais é educação = acesso à informação e a tecnologias positivas”. Antes de criticar os EUA (nossa tendência leiga), vale lembrar: esse país já tem leis inteligentes, como uma regra que obriga, desde 2004, o setor automotivo a produzir carros que reduzam as emissões de CO2 em 30% até o ano de 2016.

Em tempo: professores da USP devem lançar, no começo do ano, um livro de atividades didáticas para produzir em sala de aula, tendo as mudanças climáticas como tema gerador. Aguardem notícias! Um dos autores é Pedro Leite da Silva Dias, diretor da Sociedade Brasileira de Meteorologia e do Laboratório Nacional de Computação Científica do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Fico feliz em ver a academia realmente se aproximando da comunidade escolar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desenhos animados ajudam a trabalhar a educação ambiental

Educomunicação é também fazer a leitura crítica da mídia. E tirar dela reflexões para o dia-a-dia, construindo e aumentando o repertório, também, nos eixos temáticos da educação ambiental. A excelente reportagem Faz-de-Conta de Verdade, publicada na revista Página 22, convida a pensar sobre a abordagem ambiental dos desenhos animados, do clássico Bambi a Bee Movie (a abelha inteligente da foto).

Entre os entrevistados da matéria, uma professora da Eastern Illinois University, Robin Murray, as temáticas ligadas à natureza que aparecem em diversos desenhos são, claro, reflexo de nossa cultura atual, onde a problemática ambiental não sai da mídia. Se passam mensagens positivas e fazem efeito sobre a audiência – a garotada e os adultos, que às vezes gostam mais dos desenhos do que as próprias crianças – há controvérsias. Mas muitos educadores acham positivo provocar uma discussão sobre meio ambiente, especialmente com os pequenos, a partir da audição de um desenho animado na escola.

Como o…

Para falar de meio ambiente com as crianças

Despertar o prazer pela leitura e, ao mesmo tempo, passar uma mensagem positiva sobre a natureza, também com prazer. Isso é possível? Para o músico Tino Freitas, do projeto Roedores de Livros, com certeza...

Escrevi sobre o trabalho voluntário do Tino e mais seis "roedores de livros" em Ceilândia (DF) para um especial de leitura da revista Nova Escola. Postei aqui no blog um pouco sobre seu trabalho de contar histórias, ensinar música e arte... e pedi a eles dicas de leitura que tenham a ver com meio ambiente. Olha só o que o Tino nos mandou:
"Dia desses recebemos o convite da Débora Menezes, que cuida com muito carinho do blog Educom Verde, para escrevermos sobre Literatura Infantil, convidando os educadores ambientais a promover a educação ambiental por meio da leitura. Vale à pena explicar que o nosso projeto, o Roedores de Livros, oferece a um grupo de crianças no entorno de Brasília o contato com os livros. Acreditamos que o contato com a Literatura Infantil é uma i…

Educação Ambiental e Comunicação em UCs: tema de dissertação

No dia 21 de agosto de 2015, finalmente apresentei minha dissertação de mestrado "Comunicação e Mobilização na Gestão Participativa de Unidades de Conservação: o Caso da APA da Serra da Mantiqueira", junto ao Laboratório de Jornalismo Avançado da Universidade Estadual de Campinas (Labjor-Unicamp). Tendo o professor Ismar Soares, do Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE-USP) em minha banca, fiquei bastante feliz com suas palavras indicando que "a Educomunicação passa a contar, a partir desta pesquisa, com um importante suporte bibliográfico para entender a área da gestão comunicativa".

A pesquisa foi orientada pela professora Maria das Graças Conde Caldas, jornalista das antigas que também se debruça sobre a relação entre os campos da Educação e da Comunicação. Inquieta com minhas práticas profissionais de Educomunicação, onde muitas vezes vi essa área resumir-se a metodologias e ferramentas midiáticas de suporte para cursos de Educação…